Lucro líquido gerencial do Santander Brasil é de R$ 3,021 bilhões no 1º tri (+ 41,2% em um ano)

O Santander Brasil registrou lucro líquido recorrente de R$ 3,021 bilhões no primeiro trimestre de 2024, uma alta de 41,2% no comparativo anual, enquanto na comparação com o quarto trimestre do ano passado, houve um crescimento de 37,1%.

Segundo o banco, o salto nos resultados é fruto da estratégia apresentada ao longo do ano passado e mostra uma retomada do crescimento, bem como uma melhoria no custo de crédito. O Santander afirma ainda que tem avançado na diversificação da carteira.

O presidente do banco, Mario Leão, afirma que a inadimplência no segmento de pessoas físicas está no menor patamar em dois anos. "Na qualidade da nossa carteira, a PDD provisão se manteve estável no trimestre, que somada à expansão da carteira, resultou em uma queda no custo de crédito, o que reforça uma trajetória positiva para 2024", diz ele em mensagem que acompanha o balanço.

A carteira de crédito do banco somava R$ 654,020 bilhões no final do primeiro trimestre, um crescimento de 8,1% no intervalo de um ano puxada pelo segmento de pessoas físicas (+7,9%) e pelos títulos privados (+15,7%) e por avais e fianças (+30,2%).

Em março, o banco tinha R$ 1,169 trilhão em ativos, alta de 11,5% em um ano. Em um trimestre, a variação foi positiva em 1,4%. O patrimônio líquido, por sua vez, aumentou 5,2% em um ano, para R$ 87,029 bilhões. O retorno sobre o patrimônio líquido do Santander avançou 3,5 pontos porcentuais em um ano, para 14,1%.

O resultado operacional do banco, antes de impostos, foi de R$ 3,516 bilhões, alta de 93,8% em um ano. O aumento das receitas e o recuo das despesas com provisões explicam o crescimento.

A margem financeira bruta do banco, que reflete os ganhos com operações que rendem juros, foi de R$ 14,790 bilhões, alta de 14,5% em um ano. Nas margens com clientes, o resultado foi de R$ 14,457 bilhões, crescimento de 3,2% no comparativo anual. Nesta linha, estão contabilizados os resultados com operações de crédito.

Na tesouraria, o Santander teve ganho de R$ 333 milhões, revertendo a perda de R$ 1,088 bilhão vista um ano antes. Foi a primeira vez em dois anos que a chamada margem com mercado do banco foi positiva.

As receitas do banco com serviços aumentaram 12,8% em 12 meses, para R$ 4,886 bilhões.