Para dirigente do Fed, payroll é sólido, mas é preciso entender recente alta da inflação

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Chicago, Austan Goolsbee, afirmou nesta sexta-feira, 3, que o relatório de empregos (payroll) teve resultado "sólido" em abril, mostrando retorno da economia ao nível pré-pandemia sem grande deterioração do mercado de trabalho. Contudo, Goolsbee evitou comentar sobre quais os possíveis próximos passos de política monetária, ao ser questionado em entrevista à Bloomberg TV.

Goolsbee observou que o cenário "golden path" - um pouso suave da economia, com redução da inflação e desaceleração da atividade - desejado por ele no ano passado ainda não se materializou, enquanto novos riscos surgiram. O dirigente destacou, por exemplo, a recente surpresa de alta da inflação.

"Precisamos entender se é uma nova aceleração", afirmou Goolsbee. "Não podemos nos comprometer e atar nossas mãos em relação a próximas decisões de juros. Temos que estar paranoicos e prontos para reagir a qualquer consequência de mudanças na economia, a qualquer momento."

O dirigente acredita que o atual nível da política monetária é restritivo o suficiente para baixar os preços e sugeriu que está "confortável" em mantê-los por tempo prolongado, visto que a economia ainda não mostra sinais de deterioração. "Uma reviravolta para ambiente de recessão não é sutil. Vemos salto no desemprego, deterioração na qualidade de crédito e em outros setores", apontou. "Ainda não vemos isso acontecer e é o que estamos monitorando."

No entanto, Goolsbee reconheceu que, se o aperto monetário for mantido por muito tempo, os dirigentes provavelmente terão que considerar mais "emprego máximo" no duplo mandato do BC norte-americano. O dirigente da distrital de Chicago não tem direito a voto nas decisões monetárias do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) em 2024.