Dólar sobe de olho em curva de Treasuries, commodities e varejo -

O dólar opera em alta na manhã desta quarta-feira, 8, e renovou máximas no mercado à vista há pouco, a R$ 5,1050 (+0,74%). O mercado câmbio ajusta-se ao avanço da curva de rendimento dos Treasuries e dos juros futuros na B3 em meio à espera do desfecho da reunião do Copom. A aposta majoritária (55%) é de corte de 0,25 pp da Selic ante a minoritária, de 0,50 pp, segundo o Projeções Broadcast.

Investidores precificam ainda a queda firme das commodities - de cerca de 1% do petróleo e de 2,91% do minério de ferro -, enquanto digerem dados de varejo e entrevista do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, à rádio EBC nesta manhã.

Haddad, disse nesta quarta que espera que o preço dos alimentos caia a partir dos efeitos da reforma tributária sobre o consumo, aprovada pelo governo neste ano. Ele reforçou que "sabe do compromisso" do presidente Lula no combate à inflação e que o presidente está preocupado com a situação atual do preço dos alimentos, sobretudo após o desastre climático no Rio Grande do Sul.

O ministro ainda pontuou que espera que a taxa básica de juro, a Selic, continue caindo para que se possa construir "uma economia saudável". "Os últimos indicadores de inflação têm se comportado "muito bem", ao mesmo tempo em que a taxa de juros no Brasil continua sendo uma das mais elevadas do mundo", comparou o ministro. Ele disse ainda que a proposta do governo federal para a renegociação da dívida do Rio Grande do Sul deve ser anunciada entre hoje e amanhã pelo presidente Lula.

As vendas do comércio varejista ficaram estáveis em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ainda assim, o varejo se manteve operando em patamar recorde na série histórica da Pesquisa Mensal de Comércio, iniciada em 2000, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Como havia alcançado o maior nível da série no mês anterior, com a estabilidade, o patamar recorde se desloca de fevereiro para março de 2024", apontou o IBGE. Já o varejo ampliado, que recuou 0,3% em março ante fevereiro, está em nível 1,4% aquém do ápice registrado em agosto de 2012.

A FGV informou alta do IGP-DI de 0,72% em abril, interrompendo três meses de quedas do indicador. O dado também ficou acima da mediana das projeções do mercado (+0,68%).

No exterior, sem indicadores relevantes na agenda americana, os investidores em Nova York ajustam o dólar e os rendimentos dos Treasuries para cima à espera de comentários de dirigentes do Fed e leilão do Tesouro americano. Estão programados os estoques no atacado no país (11h) e eventos com os dirigentes do Fed Philip Jefferson, vice-presidente (12h), Susan Collins, de Boston (12h45), e Lisa Cook. A esperança é de que tragam pistas que possam chancelar as apostas recentes de possíveis cortes de juros neste ano, após o payroll americano abaixo do esperado.

Às 9h39, o dólar à vista subia 0,67%, a R$ 5,1014. O dólar para junho ganhava 0,48%, a R$ 5,1110.