Japão: dirigentes do BoJ estão atentos a riscos associados à queda do iene

Os dirigentes do Banco do Japão (BoJ) expressaram preocupações sobre a depreciação do iene durante a reunião de política monetária de abril. O Sumário de Opiniões do BoJ, que condensa comentários feitos pelas autoridades durante o encontro do mês passado, mostra que as autoridades estão atentas aos efeitos da desvalorização da moeda japonesa na inflação - e às possíveis implicações sobre suas decisões de juros.

O documento publicado hoje revela pelo menos seis menções diretas à perda de valor do iene. Já os sumários das duas reuniões anteriores de 2024 (de março e maio) não destacam nenhum comentário sobre o assunto.

No sumário mais recente, um dirigente argumenta que a desvalorização do iene e a alta do petróleo demandam atenção para riscos altistas sobre os preços. Outro comentário observa que o efeito desses dois fatores já está sendo sentido na inflação ao produtor, por meio de aumento nos custos de importação. Por isso, diz esse, seria preciso monitorar se a desaceleração da inflação de bens vai reverter.

Uma autoridade levanta que, além de pressionar a economia no curto prazo, a desvalorização do iene poderá elevar a inflação subjacente no médio e longo prazo. Isso porque, segundo ela, renda e produção poderiam aumentar através, por exemplo, de uma alta na demanda por turismo interno ou da transferência de operações de fabricantes japoneses no exterior de volta para o Japão.

Um dirigente comenta que é "bem possível" que o ritmo de normalização da política monetária acelere caso a inflação subjacente continue desviando para cima sobre o pano de fundo de um iene mais fraco.