Maioria das Bolsas da Europa fecha em baixa, após recordes recentes e sem novos impulsos

As bolsas da Europa fecharam em na maioria em baixa nesta segunda-feira, 13, após uma semana com altas importantes, que levaram os índices de Londres, Frankfurt e Paris a renovarem recordes históricos de fechamento na sexta-feira. A segunda-feira começou sem grandes indicativos para os investidores, que irão acompanhar com grande expectativa a divulgação de indicadores nos próximos dias.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,03%, a 520,60 pontos.

Em dia de agenda esvaziada, os mercados estão em compasso de espera antes de novos números da inflação ao produtor (PPI) e ao consumidor (CPI) dos EUA, que serão publicados na terça-feira, 14, e na quarta-feira, 15.

Além disso, estão previstos nesta semana dados finais do CPI da zona do euro e revisão do PIB do bloco.

Susannah Streeter, chefe de mercados da Hargreaves Lansdown aponta que o FTSE 100 deu uma pausa em sua recuperação recorde. "As ações de Londres podem estar em grande parte num padrão de espera no início da semana, e a pausa segue um mês em alta. Alguma cautela está voltando, em meio a preocupações de que as altas taxas de juros possam ter que durar mais tempo nos Estados Unidos, com a principal leitura da inflação sendo esperada para esta semana", afirma.

Além disso, a recuperação econômica da China atingiu outro obstáculo, com os dados mais recentes mostrando poucos progressos. "Um dado de empréstimos mais fraco do que o esperado divulgado na China durante o fim de semana indicou que as autoridades ainda têm uma batalha difícil para estimular a procura na frágil economia", aponta Streeter.

Em Londres, o FTSE 100 teve queda de 0,22%, a 8.414,99 pontos. Em Frankfurt, o DAX caiu 0,16%, a 18.742,22 pontos. Em Paris, o CAC 40 recuou 0,12%, a 8.209,28 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 recuou 0,58%, a 6.871,86 pontos.

Por outro lado, a Stellantis registrou um incremento na comparação anual de 4,4% no volume de vendas de veículos durante o primeiro trimestre deste ano no mercado europeu.

Em Milão, a ação da empresa subiu 3,70%, sendo a maior alta da bolsa local, ajudando a impulsionar o avanço de 0,46% do FTSE MIB, a 34.815,91 pontos. Em Madri, o Ibex35 subiu 0,42%, a 11.152,00 pontos.