Ibovespa tenta subir com petróleo, mas feriado em NY e queda do minério dificultam

A falta de catalisadores diante de uma agenda esvaziada de indicadores impede o Ibovespa de definir um norte nos primeiros minutos do pregão desta segunda-feira, 27, de feriado nos Estados Unidos. No exterior, as bolsas europeias sobem moderadamente e as asiáticas fecharam com uma alta um pouco maior.

Os mercados norte-americanos estão fechados devido à celebração ao Memorial Day, o que ainda deve instigar um volume financeiro discreto na B3 hoje.

Assim, o Índice Bovespa tem dificuldade em aliviar a queda de 3,00% da semana passada, quando, na sexta fechou pelo sexto pregão seguido de baixa.

"Enquanto o índice Nasdaq de Nova York bateu novo recorde na sexta, o Ibovespa segue sem tração e acumulando perdas de mais de 7,00% em 2024, num sinal claro de que faltam gatilhos para o mercado evoluir", analisa Alvaro Bandeira, economista e coordenador da Comissão de Economia da Diretoria Técnica da Apimec.

Além do cenário incerto sobre a política monetária principalmente nos EUA, em meio à persistente inflação, internamente os mercados têm reagido a questões ligadas às contas públicas e também aos juros básicos. "O déficit fiscal no Brasil crescente explica o comportamento dos investidores, que ficam em resguardo", analisa Bandeira.

Apesar da elevação das bolsas asiáticas, impulsionadas por medidas da China para o setor de chips, e do aumento do lucro do setor industrial chinês em maio, o minério de ferro fechou em queda de 1,10% em Dalian. Assim, as ações do setor metálico, sobretudo as da Vale, caem, limitando o efeito positivo da valorização dos papéis da Petrobras no Ibovespa.

Na parte macroeconômica, os investidores avaliam a nova rodada de aumento em algumas projeções no boletim Focus, divulgado nesta manhã. A estimativa mediana para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano (a 3,86%), do seguinte (a 3,75%) e de 2026 (3,58%) avançaram. Já a estimativa mediana para a Selic de 2024 permaneceu em 10,00% ao ano e em 9,00% para o juro básico os demais anos.

O avanço das expectativas inflacionárias e dos índices de preços em si tem gerado desconforto nos mercados e aumentado as incertezas sobre os próximos passos do Comitê de Política Monetária (Copom). Amanhã, por exemplo, será divulgado o IPCA-15 de maio, para o qual espera-se alta de 0,47%, depois de 0,21% em abril.

Ainda hoje, fica no foco a palestra do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, em almoço com empresários na capital paulista.

Na seara corporativa, destaque para Magda Chambriard, que concederá sua primeira entrevista como presidente da Petrobras, após o fechamento da B3. As ações da Gol e da Azul seguem no radar. Conforme apurou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a área técnica do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) avalia se o acordo de codeshare entre as companhias deve passar pelo órgão.

Na sexta-feira, o Ibovespa fechou em baixa de 0,34%, aos 124.305,57 pontos, zona considerada perigosa, como ressalta Alvaro Bandeira.

Às 10h48, o Ibovespa subia 0,13%, aos 124.477,01 pontos, ante máxima aos 124.517,11 pontos, quando apresentou alta de 0,17%. Na mínima, marcou 124.121,97 pontos (-0,15%). Vale cedia 0,08%, enquanto Petrobras subia entre 0,76% (PN) e 0,89% (ON).