PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Relembre a história do ICQ, o vovô que é o novo fenômeno da internet

15/07/2014 13h42

SÃO PAULO – Na semana passada, o ICQ – serviço de mensagem instantânea – fez a sua estreia nas lojas de aplicativos dos smartphones e já até superou os concorrentes Whats App , Facebook e Instagram em quantidade de downloads, alcançando o primeiro lugar na lista de  apps  mais baixados na  App   Store  da Apple no Brasil. 

Talvez o atual sucesso tenha se dado por conta do espírito de nostalgia do final dos anos 90, mas desde o início, o ICQ já contava com uma legião de fãs. Criado em 1996 pela empresa Mirabilis, formada pelos jovens israelenses Yair Goldfinger, Arik Vardi, Sefi Vigiser e Amnon Amir, ele foi o primeiro serviço de mensagens instantâneas na era da internet.

Seu nome é um acrônimo feito com base na pronúncia das letras da expressão “I Seek You” (Eu procuro você, em tradução livre). O ICQ foi criado inicialmente para os usuários sistemas operacionais Windows, que até então não possuíam um software que garantisse a comunicação instantânea entre eles.

Um ano após a sua criação, a ferramenta atingiu o número de 1 milhão de usuários, com uma estimativa de 100 mil novos usuários a cada semana, com picos online de 58.500 usuários simultâneos. No final de 1997, já eram registrados mais de 4 milhões de usuários.

Em 1998, a Mirabilis foi adquirida pela AOL por US$ 407 milhões e no mesmo ano, o ICQ ultrapassa a marca de 20 milhões de usuários registrados. Em 2010, a ferramenta foi vendida para a empresa Mail.ru Group.

Mobile
Além de pioneiro no serviço online de mensagens instantâneas, o ICQ também foi uma das primeiras ferramentas a partir para os celulares, lançando em 1999 as versões "mobile": ICQ para WAP, ICQ SMS e ICQ para Java; na época já eram 50 milhões de usuários. O ICQ atinge a marca de 100 milhões de usuários em maio de 2001.

Decadência
Apesar de ter conseguido uma base fiel de usuários e permitir o acesso por software, web, celular e e-mail, o ICQ não suportou a concorrência da Microsoft, que incluiu o MSN Messenger no Windows em 1999 e foi descontinuado no ano passado.

PUBLICIDADE