Dólar dispara e entra em ponto importante que pode definir alta até R$ 4,19

SÃO PAULO - O dólar comercial dispara mais de 1,5% na tarde desta terça-feira (16), voltando a ficar acima de R$ 4,00, com investidores apreensivos com as incertezas políticas e econômicas no Brasil e pressionado pela queda do petróleo diante de expectativas frustradas de corte imediato da oferta e preocupações com a saúde da economia global.  Às 14h19, o dólar avançava 1,73%, a R$ 4,0644 na compra e R$ 4,0654 na venda.

Segundo o diretor da Wagner Investimentos, José Faria Júnior, a sessão de hoje marca a entrada em um ponto "muito importante", onde não só o patamar da moeda, mas os eventos dos próximos dias, podem definir o futuro do dólar. Em relatório, ele explica que com a divisa acima de R$ 4,02, é possível voltarmos a ver um cenário de estresse, onde o dólar pode começar a buscar os R$ 4,19 nas próximas semanas.

Nesta quarta-feira (17) ocorrem dois importantes eventos, com a ata da última reunião do Fomc, que pode dar maiores indícios sobre a estratégia do Federal Reserve sobre elevar mais os juros nos Estados Unidos, ou até mesmo cortar as taxas - fato que já está sendo projetado por alguns especialistas. Enquanto isso, no cenário doméstico, o PMDB vota amanhã seu novo líder, o que pode definir uma potencial ajuda - ou problemas - para o governo daqui para frente.

Sobre o cenário desta terça, i nvestidores temem que o governo se afaste do rigor fiscal que vem prometendo desde o ano passado diante da profunda recessão econômica e das turbulências políticas.

As preocupações locais se somavam no início da tarde às perdas nos preços do petróleo, que passou a cair depois que Rússia e Arábia Saudita concordaram em congelar a produção nos níveis de janeiro se outros grandes exportadores se juntarem a eles. Irã, no entanto, era um dos entraves ao plano.  "As moedas ligadas a commodities acompanham o petróleo, uma segue a outra", disse o operador da Correparti Jefferson Luiz Rugik .

Mais cedo, a alta das ações chinesas à máxima em três semanas limitava o fortalecimento da moeda norte-americana, com investidores recebendo bem declarações do premiê do país, Li Keqiang, acenando para a possibilidade de novos estímulos se a economia desacelerar mais.

Operadores ressaltavam ainda que o mercado voltava a ganhar volume nesta sessão, após o pregão de liquidez reduzida na segunda-feira devido ao feriado do Dia dos Presidentes nos Estados Unidos, que manteve os mercados locais fechados.

Nesta manhã, o Banco Central promoveu mais um leilão de rolagem dos swaps que vencem em março, vendendo a oferta total de 11,9 mil contratos. Ao todo, a autoridade monetária já rolou US$ 5,217 bilhões, ou cerca de 52% do lote total, que equivale a US$ 10,118 bilhões.

Com Reuters

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos