PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

AO VIVO: Fed reduz juros em 0,25 p.p., primeiro corte desde a crise de 2008

31/07/2019 15h31

O Federal Reserve (Fed) cortou as taxas de juros pela primeira vez desde 2008, à medida que a inflação continuou a seguir abaixo da meta de 2% ao ano e os sinais de desaceleração do crescimento global persistiram. O Fed reduziu sua taxa de referência em 25 pontos-base para um intervalo de 2,0% a 2,25%, de 2,25% para 2,5% anteriormente.

Agora, os investidores direcionam a atenção para a conferência de imprensa do presidente do Fed, Jerome Powell, que se realiza neste momento e o vídeo para acompanhá-la está no fim desta matéria. Os investidores esperam obter mais informações sobre a conduta do banco central em relação à política monetária.

O corte da taxa foi totalmente precificado, de acordo com o Monitor da Taxa de Juros do Fed do Investing.com, embora alguns tenham mantido a esperança de um corte mais agressivo de 50 pontos-base, à medida que a inflação continue a ficar abaixo da meta anual do Fed.

"À luz das implicações da evolução global para as perspectivas econômicas, bem como as pressões inflacionárias moderadas, o Comitê decidiu reduzir o intervalo alvo para a taxa de fundos federais para 2 a 2-1 / 4 por cento", disse o Fed em comunicado logo após anúncio da decisão.

A medida mais recente das Despesas Básicas de Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês), a medida preferencial de inflação do Fed, ficou em 1,7%, abaixo da meta de 2% do banco central.

O presidente Donald Trump, um dia antes, havia pedido ao Fed que fizesse um "grande corte" para compensar uma série quatro subidas no ano passado.

"Estou muito desapontado com o Fed", disse Trump a repórteres na manhã de terça-feira. "Eu gostaria de ver um grande corte e gostaria de ver imediatamente a parada do aperto quantitativo."

No entanto, contra o pano de fundo de uma economia saudável dos EUA, alguns analistas tentaram minimizar as expectativas de que mais cortes de juros devam ocorrer.

Com os mercados atualmente prevendo cerca de mais dois cortes até o final do ano e pelo menos um no ano que vem, o Goldman Sachs disse não acreditar que "o atual ritmo de crescimento e inflação justifique o grau de flexibilização dos preços atualmente".

A última vez que houve redução da taxa de juros pelo Fed foi em 16 de dezembro de 2008, no auge da crise financeira e três meses após o colapso do Lehman Brothers, que trouxe uma série de cortes de emergência na taxa básica de juros neste ínterim.

A última vez que houve redução da taxa de juros pelo Fed foi em 16 de dezembro de 2008, no auge da crise financeira e três meses após o colapso do Lehman Brothers, que trouxe uma série de cortes de emergência na taxa básica de juros neste ínterim.

O Fed capitulou para reduzir as taxas para 0% naquele dia, mas estabeleceu uma meta de 0% a 0,25%, dizendo que "condições econômicas fracas provavelmente justificarão níveis excepcionalmente baixos da taxa de fundos federais por algum tempo".

As taxas estavam em 4,25% no final de 2007. O Fed ficou até 16 de dezembro de 2015 sem realizar uma subida nas taxas.

O início da alta dos juros até o nível atual, que atraiu a ira do presidente, começou em 15 de março de 2017, quando os dirigentes do Fed "esperam que as condições econômicas evoluam de uma maneira que garanta aumentos graduais no taxa de fundos federais."

Assista abaixo a entrevista de Powell sobre as condicionantes e detalhes da decisão: