PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Calendário Econômico - 5 principais eventos desta semana

08/09/2019 13h31

Calendário Econômico - 5 principais eventos desta semana

A reunião do Banco Central Europeu na quinta-feira será o destaque da semana, em meio a expectativas de mais estímulos para reforçar a economia lenta da zona do euro. Com a ameaça de um Brexit sem acordo ainda presente, os próximos dados de empregos no Reino Unido serão observados quanto a novos sinais de fraqueza na economia. Enquanto isso, os dados econômicos da China e dos EUA estarão em foco à medida que a guerra comercial se intensifica.

Aqui está o que você precisa saber para começar sua semana.

1.BCE em foco

É quase certo que o BCE aprovará novas medidas de estímulo na quinta-feira para impulsionar uma economia em dificuldades, mas a composição exata do pacote de estímulos ainda não está clara. Embora um corte na taxa de juros pareça consenso, a grande questão é se uma retomada da compra de ativos fará parte do pacote depois que alguns formuladores de políticas disseram que seria prematuro.

"Embora duvidemos que mais flexibilizações monetárias gerem muito efeito de crescimento, não fazer mais nada é uma opção, já que os mercados já previram flexibilizações adicionais", escreveram economistas do ING.

"Esperamos um corte na taxa de depósito de 20 pontos base, um sistema de taxas de juros em camadas por excesso de liquidez, condições mais generosas de estímulos (TLTRO) e € 30 bilhões por mês de flexibilização quantitativa (embora esse último ponto ainda esteja sendo discutido e possa ser adiado para esperar pelo resultado do Brexit) ".

2. Incerteza do Brexit

Um adiamento de três meses do Brexit parece cada vez mais provável depois que os esforços do primeiro-ministro Boris Johnson de tirar a Grã-Bretanha da União Europeia em 31 de outubro com ou sem acordo fracassaram. Johnson perdeu a maioria no parlamento na semana passada e viu sua tentativa inicial de convocar uma eleição geral antecipada ser bloqueada.

Na segunda-feira, espera-se que Johnson faça uma segunda tentativa de convocar eleições instantâneas, mas os parlamentares da oposição disseram na sexta-feira que não apoiariam uma eleição até que o governo solicite uma extensão à UE.

Com a economia mostrando sinais de oscilação à beira da recessão, o relatório de emprego do Reino Unido será o destaque do calendário de dados do Reino Unido, que também apresenta atualizações sobre o crescimento do segundo trimestre, juntamente com números sobre produção industrial, construção e comércio.

3. Enxurrada de dados da China

Os números deste domingo mostraram que as exportações da China caíram inesperadamente em agosto, com os embarques para os EUA diminuindo 16%, apontando para uma fraqueza ainda maior na segunda maior economia do mundo.

É esperado que Pequim anuncie mais medidas de apoio nas próximas semanas para evitar o risco de uma desaceleração econômica mais acentuada, incluindo cortes em algumas das principais taxas de empréstimos.

Na sexta-feira, o Banco Popular da China reduziu novamente os índices de reserva dos bancos, liberando cerca de 900 bilhões de iuanes para fortalecer a economia

Os números sobre a inflação e os preços das fábricas que devem ser divulgados na terça-feira podem oferecer algumas informações sobre a necessidade de mais flexibilização das políticas.

4. Dados dos EUA

O principal dado a ser observado no calendário de dados dos EUA nesta semana são os números das vendas de varejo para agosto na sexta-feira. As previsões são de um aumento de 0,2%, desacelerando de um aumento de 0,7% em julho. Diante da desaceleração das exportações e do investimento, os compradores continuam sendo um ponto brilhante na economia.

Em 1º de setembro, as tarifas dos EUA aumentaram em US$ 112 bilhões em importações de mercadorias chinesas, elevando o imposto em até 15%. As notícias que os dois lados devem retomar as negociações em outubro acalmaram alguns temores, mas as tarifas aumentarão os preços que os americanos pagam pouco antes da temporada de compras natalinas.

Outros dados a serem observados nesta semana incluem os números dos preços de custo das fábrica na quarta-feira e o relatório de sexta-feira sobre os preços de importação.

5. Inversão entre títulos do Tesouro/rendimento de dividendos

Um declínio nas taxas de juros dos títulos do governo dos EUA de longo prazo abaixo do rendimento médio dos dividendos das ações recebeu menos atenção do que uma curva invertida de rendimento do Tesouro, mas pode ser uma razão pela qual as ações encontram apoio após um ferimento em agosto.

Depois que o S&P 500 sofreu sua primeira queda mensal desde maio, as ações tiveram um início sólido em setembro. A inversão incomum de títulos do Tesouro/rendimento de dividendos está fornecendo um nível de suporte.

Os rendimentos do Tesouro dos EUA caíram em sintonia com a recuperação do mercado de títulos globais, à medida que as tensões comerciais globais mantiveram os temores da recessão no horizonte.

Embora os rendimentos dos títulos do Tesouro a médio prazo estejam abaixo do rendimento de dividendos do S&P 500 por vários meses, o rendimento de longo prazo em 30 anos inverteu-se no final de agosto, pela primeira vez desde março de 2009.

"Seja o Federal Reserve sinalizando mais cortes no futuro ou apenas em geral esse rali no mercado de títulos, taxas gerais mais baixas - você pode pensar - também colocam algum tipo de patamar no mercado", disse Mark Kepner, operador de ações na Themis Trading em Chatham, Nova Jersey.

- A Reuters contribuiu com esta matéria