PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Ações: Futuros dos EUA em leve baixa depois de dados sombrios na China

10/09/2019 10h38

Os futuros dos EUA caíam nesta terça-feira, com dados da Ásia confirmando que a economia global continua desacelerando.

Os futuros do Nasdaq 100 caíam 19 pontos ou 0,3% às 7h42, enquanto o futuros do Dow perdia 37 pontos ou 0,1% e os futuros do S&P 500 caíam 4 pontos ou 0,2%.

Dados publicados durante a noite mostraram que os preços ao produtor caíram

no ritmo mais rápido em três anos em agosto, enquanto os pedidos para fabricantes de máquinas-pesadas no Japão caíram para o nível mais baixo desde 2009.

As tensões comerciais EUA-China ainda precisam ser resolvidas, tornando mais provável que a economia americana entre em recessão, disseram analistas do Deutsche Bank (DE:DBKGn).

"Dados recentes sugerem que as tensões comerciais já podem levar a economia a um ponto crítico", escreveram os analistas. "Agora, é nossa opinião que, neste ponto, apenas uma redução ou reversão significativa das tensões comerciais provavelmente será suficiente para conter a tendência de queda".

Também houve notícias sombrias perto de casa, pois o índice de confiança do NFIB de pequenas empresas caiu para o menor nível em cinco meses.

As ações de tecnologia foram mais baixas no comércio de pré-mercado, com a Netflix (NASDAQ:NFLX) caindo 0,1%, o Facebook (NASDAQ:FB) caindo 0,5% e a Microsoft Corporation (NASDAQ:MSFT) ficando abaixo de 0,7%.

O Facebook e o Google (NASDAQ:GOOGL) estavam em foco com as notícias de que as empresas de tecnologia enfrentam quatro investigações antitruste separadas, em um esforço para investigar se as grandes empresas de tecnologia devem ou não ser divididas. Do outro lado do Atlântico, a União Europeia confirmou que havia nomeado Margrete Vestager, que liderou a imposição de multas punitivas aos gigantes da tecnologia dos EUA nos últimos cinco anos, em outros termos como comissária antitruste.

Em outros lugares, o Grupo UBS (NYSE:UBS) saltava 2,4%, enquanto a Seadrill (NYSE:SDRL) ganhava 8,4%.

Em commodities, petróleo bruto subia 0,6%, para US$ 58,19 por barril. Os futuros do ouro caíam 0,6%, para US$ 1.501,85 por onça troy, enquanto os índice dólar, que mede a força da moeda norte-americana em comparação com uma cesta das seis principais divisas, subia 0,1%, para 98,403.