PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado nesta segunda-feira

23/09/2019 08h53

No noticiário corporativo, o CEO e fundador da WeWork, Adam Neumann, pode seguir o caminho de Travis Kalanick, da Uber (NYSE:UBER). No campo economico, não há fim à vista para a desaceleração da indústria global. Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros nesta segunda-feira, 23 de setembro.

1. Softbank procura o botão do assento ejetor na WeWork

A Softbank, o maior acionista externo da WeCompany, está pressionando para que o CEO e fundador Adam Neumann seja substituído na WeWork, o provedor de espaço compartilhado para escritórios. O fundo alega perda de desempenho para a substituição.

O Financial Times informou que o Softbank havia perdido a paciência com o comportamento irregular e a liderança de Neumann, o que levou a atrasos no IPO da empresa. A medida lembra os eventos da Uber Technologies (NYSE:UBER) há dois anos, quando o fundador Travis Kalanick foi expulso por investidores externos.

WeWork à parte, esta semana está programada para ser de peso para os IPOs, com o fabricante de bicicletas ergométricas Peloton também supostamente lutando para despertar interesse. O acordo da AB Inbev para a Ásia e o grupo europeu de software TeamViewer também devem ser destaque no decorrer da semana.

2. Os PMIs sugerem que a desaceleração ainda vai continuar

A mais recente série de pesquisas mensais de negócios de todo o mundo sugeriu que não há um fim à vista para a desaceleração global da indústria.

O índice de gerentes de compras compostas da zona do euro caiu em sua taxa mais rápida em seis anos para 50,4, sugerindo que a economia quase parou no final do terceiro trimestre, segundo o IHSS Markit. A indústria na Alemanha, durante anos a fonte de crescimento mais confiável da região, caiu mais rapidamente desde a Grande Recessão de 2009.

O PMI da Austrália também caiu abaixo do nível 50, que separa o crescimento da contração. O PMI dos EUA da IHSS será publicado às 10h45.

O atual presidente do BCE, Mario Draghi, deve falar com o Parlamento Europeu mais tarde, embora seja amplamente esperado que ele deixe qualquer reação monetária adicional para sua sucessora, Christine Lagarde.

3. Ações devem a abrir mistas com ressaca comercial e fraqueza econômica

As bolsas de valores dos EUA devem abrir de maneira mista, com tendência de baixa, na sequência de menor apetite ao risco após que o tom nas negociações comerciais se tornou um pouco mais confrontador na sexta-feira.

O sentimento no fim de semana não foi ajudado por outro aumento nos preços do petróleo (veja abaixo) em meio a relatos de que o Irã está planejando outro ataque às instalações de petróleo sauditas (a República Islâmica ainda nega qualquer envolvimento nos ataques de nove dias atrás).

Às 7h15 (horário de Brasília), o futuros do Dow caíam 22 pontos, ou 0,1%, enquanto os S&P 500 futuros estavam baixos e os futuros do Nasdaq 100 subiam 0,2%.

A aversão ao risco parece ter retornado aos mercados, com o título do Tesouro dos EUA com rendimento em 10 anos caindo para uma baixa de duas semanas de 1,69%, uma queda de 4 pontos base em relação aos níveis de sexta-feira.

4. Recuperação do petróleo desaparece

Os futuros do petróleo bruto estão variando acentuadamente. Os preços se elevaram durante o fim de semana, após relatos sobre outro ataque do Irã e de uma reportagem do The Wall Street Journal sugerindo que pode levar meses para recuperar as instalações de petróleo da Arábia Saudita de modo totalmente funcional.

A Arábia Saudita refutou, entretanto, o relatório nesta segunda-feira, dizendo que a produção será restaurada até o final da próxima semana.

A justificativa saudita fez com que os preços do petróleo caíssem novamente nesta segunda-feira para US$ 57,70 por barril às 7h, o menor desde os ataques às instalações de processamento de Abqaiq e ao campo de petróleo de Kurais.

Na sexta-feira, os dados da Baker Hughes mostraram que o número de plataformas de petróleo ativas nos EUA caiu para o menor nível desde a primavera de 2017, enquanto a CFTC informou que os fundos hedge usaram o aumento da semana passada nos preços para reduzir posições longas, aparentemente com medo de que a desaceleração econômica cause um novo excesso de oferta.

5. O Partido Trabalhista no Reino Unido quer ficar na UE?

O Partido Trabalhista do Reino Unido deve colocar seu peso firmemente para permanecer na UE nas próximas eleições.

Os relatórios sugerem que uma moção na conferência anual do Labour hoje envolvendo a permanência e em detrimento das objeções do líder Jeremy Corbyn será aprovada. Paradoxalmente, isso pode tornar o Brexit mais provável, pois pode dificultar a divisão entre os partidos que se mantêm na próxima eleição, o que é esperado por muitos antes do final do ano.

A libra britânica caiu em relação ao dólar no início do comércio na Europa, depois que novos sinais de instabilidade política surgiram no fim de semana com uma notícia de que o primeiro-ministro Boris Johnson não divulgou grandes doações de dinheiro público feitas a uma amiga próxima e ex-modelo enquanto ele era prefeito de Londres.