PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

StockBeat: Grandes do petróleo lutam com a COP e o BCE, que ofuscam Opep

06/12/2019 10h13

Por Geoffrey Smith

Foi uma semana difícil para o setor de petróleo e gás.

O preço de sua principal mercadoria aumentou mais de US$ 2 - quase 4% -, com o cartel que produz mais de 40% da produção mundial avançando em direção a um aperto significativo de sua política de produção e de preços, mas as ações dos grandes nomes da Europa caíam principalmente semana, refletindo um número crescente de preocupações de longo prazo. As quatro maiores empresas europeias estão em queda nesta semana, entre 0,6% e 2,6%.

Por um lado, existe uma preocupação em saber se uma ação executada pela Opep e aliados liderados pela Rússia será realmente suficiente para impedir um novo excesso nos mercados mundiais no próximo ano. O grupo 'OPEP +' concordou em retirar outros 500.000 barris por dia de petróleo do mercado até o final de 2020, mas será suficiente para compensar o aumento da produção no Brasil, Noruega e do - grande coringa - xisto dos EUA? Isso está longe de ficar claro - especialmente se a guerra comercial norte-americana com a China continuar a deprimir a demanda mundial de petróleo.

A BP listada em Londres (LON:BP) e a Royal Dutch Shell (LON:RDSa) podem pelo menos argumentar que parte de sua fraqueza se deve às taxaas de câmbio: a libra subiu fortemente nesta semana, ou o valor dos seus fluxos de renda baseados em dólares. Mas isso não explica ou o desempenho fraco do Total e da Eni.

A verdade é:uma reunião da OPEP em Viena não é o única movimento importante no tabuleiro. Em Madri, com negociações da COP 25 (Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas) promovida pela ONU sobre mudanças climáticas aumentaram ou aumentarão a hostilidade à percepção sobre petróleo e gás, mesmo que atualmente não haja como manter os padrões de vida no mundo sem essas duas fontes que atendem à esmagadora maioria das necessidades de energia primária do mundo.

O setor está cercado pelo crescente poder de lobby dos investimentos sustentáveis ??há anos, e agora as autoridades começam a parecer que estão do lado do ESG também: a nova presidente da Comissão Europeia, Úrsula von der Leyen, promete tornar o continente neutro em carbono até 2050 e Christine Lagarde provavelmente jogou a influência do Banco Central Europeu por trás desse impulso ao lançar sua revisão estratégica da política do BCE, provavelmente na sua primeira reunião de governo na próxima semana.

Uma ação do BCE poderia incluir, por exemplo, proibir os títulos do setor de participar de seus programas de compra de ativos. Também poderia, como supervisor do banco, aplicar encargos de capital mais altos sobre os empréstimos ao setor (ironicamente, considerando que as principais empresas possuem descontos de crédito). O banco central também pode retirar seu próprio dinheiro de pensão dos títulos e ações do setor. Todas as três medidas aumentariam os custo de capital das principais empresas, especialmente as duas primeiras.

Os preços das ações das principais empresas sempre foram apoiados pelo pressuposto de que são indispensáveis ??na economia moderna. Essa suposição será testada com crescente gravidade a cada vez mais no futuro.

PUBLICIDADE