IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Mercado prevê PIB abaixo de 1% em 2012 e inflação em alta

Do UOL, em São Paulo

31/12/2012 08h51

O mercado encerrou o ano estimando pela primeira vez que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012 ficará abaixo de 1%. Os analistas também elevaram, pela quarta semana seguida, a projeção para a inflação no ano.

Os dados constam da pesquisa Focus, divulgada pelo Banco Central nessa segunda-feira (31).

Os analistas consultados na pesquisa preveem que o PIB vai crescer 0,98% em 2012. A estimativa, na semana passada, era de um crescimento de 1%. Com relação a 2013, a perspectiva foi mantida em 3,3%.

Os analistas preveem que o IPCA, o índice de inflação usado oficialmente pelo governo, tenha alta de 5,71% em 2012. A estimativa anterior era de 5,69%. Já a expectativa para a inflação em 2013 é de alta de 5,47%.

A pesquisa Focus mostrou ainda que os analistas mantiveram a previsão de que a Selic encerrará 2013 nos atuais 7,25% ao ano, mesmo percentual estimado para a taxa básica de juros em janeiro.

Analistas elevam projeção para o câmbio

Ainda segundo a pesquisa Focus, as projeções do mercado financeiro para o câmbio ao fim de 2013 foram elevadas de R$ 2,08 para R$ 2,09. Para 2012, a última estimativa disponível é a da semana passada, de R$ 2,08.

Os analistas do mercado financeiro reduziram a projeção de déficit em conta corrente deste ano, de US$ 54 bilhões para US$ 53,56 bilhões, mas mantiveram a expectativa de investimento estrangeiro direto (IED) em US$ 60 bilhões.

A estimativa para o déficit em conta corrente em 2013 também caiu de US$ 64 bilhões para US$ 63 bilhões. Para o IED em 2013, a estimativa foi mantida em US$ 60 bilhões.

A projeção para a dívida líquida do setor público em 2012 ficou estável em 35,01% do PIB e, para 2013, se manteve em 34% do PIB. Já a estimativa para o superávit da balança comercial subiu de US$ 19,25 bilhões para US$ 19,30 bilhões em 2012. Em 2013, a expectativa de saldo positivo caiu US$ 15,52 bilhões para US$ 15,22 bilhões.

(Com informações da Reuters e do Valor)

Mais Economia