ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Sex shop dribla filtro do Facebook para divulgar produtos e atrair fãs

Larissa Coldibeli

Do UOL, em São Paulo

05/04/2013 06h00

Empresas do mercado erótico estão apostando nas redes sociais para conquistar novos consumidores. Uma das estratégias adotadas é o compartilhamento de conteúdos sobre saúde e bem-estar sexual e de dicas para melhorar o relacionamento, juntamente com o link de um produto da loja virtual.

  • Leonardo Soares/UOL

    Laerte Brasil, responsável pelas redes sociais da Loja do Prazer

Com isso, é possível driblar os filtros do Facebook –que suspende publicações com conteúdo pornográfico– e atrair compradores que querem saber mais sobre esses produtos, mas resistem a visitar uma loja.

O Facebook hoje é a rede social que mais influencia os brasileiros na compra de produtos eróticos, segundo pesquisa feita pela Abeme (Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico) com 598 associados. Em seguida, vem Twitter, com 23%, e o Orkut, com 12%.

A visibilidade das redes sociais levou o sex shop virtual Loja do Prazer a criar uma página no Facebook há dois anos. A empresa percebeu que a rede social poderia fortalecer sua marca e torná-la mais conhecida. Nesse período, conseguiu atrair 14 mil seguidores com postagens que trazem informações sobre saúde, bem-estar e relacionamento.

“Além das dicas, costumamos fazer um trabalho com frases mais românticas do que sensuais. Além disso, não usamos imagens agressivas ou pesadas, enfim, nada é explícito”, diz Laerte Brasil, diretor da agência de marketing Trovare, responsável pelo gerenciamento da marca Loja do Prazer.

Dicas sobre as redes sociais

  • 1

    Público

    Entenda quem é o público-alvo, do que ele gosta e o que ele lê. Analise, também, qual o melhor horário para fazer as publicações

  • 2

    Compartilhamento

    Procure e compartilhe conteúdos relevantes, educativos, informativos e divertidos, de acordo com o perfil do público. Relacione as notícias aos produtos ou serviços que oferece

  • 3

    Produção

    Crie conteúdo próprio, que contenha imagem e texto. Boas imagens com mensagens interessantes têm potencial para serem compartilhadas e se disseminarem na rede. Nunca publique conteúdo ofensivo ou pornográfico

  • 4

    Estratégia

    Faça um planejamento de ações. Tenha posts diários para expor regularmente sua marca. Mas não exagere, isso pode incomodar o usuário

  • 5

    Acompanhamento

    Mensure os resultados das ações. Cruze dados para saber se está atingindo o objetivo

Fonte: Rafael Jakubowski, da Sanders

    Ele afirma que promoções e produtos ligados ao universo fetichista do livro “50 Tons de Cinza” também chamam a atenção.

    Nos últimos seis meses, a página da empresa no Facebook tem conquistado de mil a 1.500 curtidas por mês. Não há dados sobre conversão em vendas, mas o número de acessos à loja virtual cresceu 20% desde a entrada da empresa na rede social.

    Além do Facebook, a Loja do Prazer está no Twitter e na rede social de fotos Instagram, com cerca de 28 mil e 23 mil seguidores, respectivamente. A empresa faz parceria com blogs populares de relacionamento, como Casal Sem Vergonha, e de humor, como Testosterona e Jovem Nerd, o que ajuda a atrair pessoas para suas redes sociais.

    Rede social divulga marca e gera vendas

    Rafael Jakubowski, diretor da agência de marketing digital Sanders, diz que a presença nas redes sociais não só torna as marcas conhecidas como dá credibilidade às empresas.

    “Muitos consumidores, antes de fazer uma compra, pesquisam sobre a empresa para saber se ela tem reclamações, principalmente na internet. Ter uma página que reúne muitas pessoas dá credibilidade à marca”, declara.

    Ele afirma que entender o público, compartilhar e criar conteúdo relevante para ele, ter presença constante na rede, mas sem incomodar o usuário são estratégias que devem ser seguidas pelas empresas. Isso pode proporcionar engajamento e gerar vendas.

    “A empresa pode e deve relacionar notícias aos seus produtos. No dia mundial da luta contra a AIDS, por exemplo, pode oferecer uma camisinha diferente”, afirma.

    Mercado erótico cresce15%

    O mercado de produtos eróticos no Brasil cresceu 15% em 2012, segundo a Abeme. “A expectativa é que continue em crescimento pelos próximos cinco anos”, diz Paula Aguiar, presidente da associação.

    De acordo com o levantamento feito com os associados, 65% dos empresários disseram que o principal questionamento dos consumidores na internet e fora dela é sobre como utilizar os produtos. Por isso, informação e conhecimento são os diferenciais para os negócios de sucesso.

    Para Aguiar, assim como ocorre em outros setores, é importante o empreendedor do mercado erótico ficar atento às tendências para investir em um diferencial. Um exemplo disso é o sucesso da trilogia “50 Tons de Cinza”.

    Os produtos eróticos citados nos livros como máscaras, algemas e chicotes, por exemplo, tiveram crescimento de 35% nas vendas no último trimestre de 2012, segundo levantamento da Abeme. "Quem pegou carona no sucesso dos livros se deu bem", conta.

    Para ajudar os empreendedores dessa área, o Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) estará presente pela primeira vez na Erotika Fair, feira do setor que ocorre de 4 a 7 de abril em São Paulo, oferecendo consultoria.

    Mais Economia