PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Justiça nega indenização a consumidor que diz ter achado rato em Coca-Cola

Do UOL, em São Paulo

14/11/2013 15h41

A Justiça de São Paulo julgou improcedente a ação movida pelo consumidor Wilson Batista de Resende contra a Spal, fabricante dos produtos Coca-Cola no Estado. Ele alegava ter sofrido sequelas de saúde pela ingestão de refrigerante supostamente contaminado pela presença de pedaços de rato.

O consumidor entrou com ação contra a empresa há mais de dez anos e pedia indenização de R$ 10 mil.

A sentença da juíza Laura de Mattos Almeida, da 29ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de São Paulo, afirma que a qualidade e a segurança do processo de fabricação e envasamento tornam impossível a passagem para dentro da garrafa do corpo estranho apresentado pelo consumidor.

O texto diz, ainda, que não existe relação entre as condições físicas e psicológicas de Resende e o consumo da bebida. A decisão foi tomada com base em laudos técnicos e médicos, e nos depoimentos do consumidor e de representantes da empresa.

'Fortes indícios de fraude'

A conclusão da Justiça é de que há “"fortes indícios de fraude" nas embalagens. A análise do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT) considerou "a possibilidade de que a tampa original tenha sido removida, com a adulteração do conteúdo, e a garrafa novamente fechada com uma tampa nova (...), sem que tenha ocorrido ruptura do lacre".

Uma perícia realizada pelo Instituto de Criminalística do Estado na fábrica da empresa já havia constatado que "considerando as condições físicas e de higiene das instalações, além das boas práticas de manufatura adotadas, não é possível o aparecimento de um corpo estranho do tipo observado visualmente na garrafa lacrada". 

PUBLICIDADE