Bolsas

Câmbio

Oscar 2016

Filme indicado ao Oscar sugere que nova crise global é possível; é verdade?

Mariana Bomfim

Do UOL, em São Paulo

"A Grande Aposta" foi indicado em cinco categorias no Oscar deste ano (melhor filme, ator coadjuvante, direção, edição e roteiro adaptado) e levou a estatueta de melhor roteiro adaptado. Quem assiste ao filme sai do cinema com uma pulga atrás da orelha: uma crise financeira como a de 2008, que arrastou economias do mundo inteiro, pode voltar a acontecer?

O filme sugere que sim. Anos depois, o investimento apontado como o grande vilão de 2008, as CDOs, estaria de volta ao mercado, mas agora com outro nome. É o que diz o filme, citando reportagem da agência de notícias Bloomberg (URL encurtada para a reportagem, em inglês: http://zip.net/blsWzn).

As CDOs (obrigações de dívida com garantia) eram investimentos formados por milhares de fatias de dívidas de alto risco (os subprimes, com muita chance de calote). Quando os devedores não pagaram as dívidas, quem comprou as CDOs teve perdas bilionárias. Segundo a Bloomberg, alguns bancos já estão voltando a vender investimentos semelhantes às CDOs. 

A possibilidade de uma nova crise também chama a atenção de investidores da velha guarda de Wall Street, como Warren Buffet, que participou de reuniões para tentar diminuir a especulação no mercado. 

O UOL ouviu os economistas Rodrigo de Losso Bueno, professor da Universidade de São Paulo (USP), Carlos Braga, da Fundação Dom Cabral, e Ernesto Louzado, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), para saber se uma crise como a de 2008 pode mesmo acontecer novamente ou se a mensagem final do filme é só invenção de Hollywood.

Eles afirmam que o filme tem razão ao dizer que fatores parecidos com os que estavam na raiz da crise de 2008 estão voltando ao mercado, mas que isso não significa que haja um novo colapso à vista.

O que voltou?

Dois fatores semelhantes aos responsáveis pela crise de 2008 estão de volta ao mercado, segundo os economistas:

  • Investimentos com as mesmas características das CDOs, responsáveis por espalhar a crise pelo mundo em 2008, estão sendo vendidos por bancos, mas foram rebatizados: agora se chamam "bespoke tranche opportunity" (fatia de oportunidade personalizada);
  • Empresas e bancos pequenos estão voltando a emprestar dinheiro para quem tem grande risco de dar calote, o antigo "subprime" (de segunda linha). O nome mudou também, para "non-prime".

Agora é diferente?

Apesar de fatores parecidos com os protagonistas da crise estarem de volta, as chances de colapso são muito menores, segundo os especialistas, porque os EUA criaram novas leis para regular o mercado depois de 2008.

  • Hoje os grandes bancos têm limite para o quanto podem emprestar, e são obrigados a seguir critérios mais exigentes para conceder empréstimos.
  • Os bancos estão "sob o microscópio do governo, por meio do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) e das agências reguladoras", afirma Braga.
  • As agências de classificação de risco (Standard & Poor's, Fitch e Moody's), criticadas por falharem na crise de 2008, também promoveram mudanças, de acordo com Louzado. "Hoje as análises são mais técnicas, coincidindo com a de analistas independentes, e menos políticas", diz.

Risco de crise sempre existe

Mesmo com as mudanças feitas nos EUA depois de 2008, o mundo não está livre do risco de uma nova crise financeira, dizem os economistas.

"As pessoas são criativas. O governo faz leis, mas o mercado cria novos produtos que não estão previstos nas leis", diz Bueno. "Da mesma forma que há alguns anos ninguém sabia o que os bancos fariam com o 'subprime', não sabemos o que mais o mercado vai inventar."

Braga e Louzado concordam que em algum momento vai acontecer outra crise, mas não causada pelo mesmo tipo de problema que na crise de 2008. "O mercado norte-americano gosta do risco", diz Louzado.

"Por mais seguros que sejam os aviões, acidentes acontecem", compara Bueno. "A ideia é reduzir a chance de acidente e garantir que ele tenha a menor magnitude possível, caso venha a acontecer."

Especulação preocupa a velha guarda

A especulação para ganhar mais dinheiro em um prazo cada vez menor vem preocupando a velha guarda de Wall Street.

O megainvestidor Warren Buffett e outros bilionários têm organizado reuniões secretas para tentar reduzir a influência dos fundos de investimento especulativos no mercado, segundo o jornal "Financial Times".

Para esse grupo de bilionários, esses fundos prejudicam o mercado porque as empresas acabam tomando decisões para agradá-los, mesmo que sejam prejudicadas no futuro.

(Edição de texto: Maria Carolina Abe e Armando Pereira Filho)

Crise econômica motiva emigração de brasileiros

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos