Bolsas

Câmbio

Inflação acelera para 0,52% em julho; em 12 meses, fica em 8,74%

Do UOL, em São Paulo

  • Stefan Wermuth/Reuters

A inflação oficial no Brasil fechou o mês de julho em 0,52%, puxada pelo avanço elevado nos preços dos alimentos. O resultado representa uma aceleração em relação a junho, quando a alta dos preços havia sido de 0,35%.

Na comparação com o indicador de julho de 2015 (0,62%), porém, houve desaceleração.

Com este resultado, o acumulado no ano foi para 4,96%, menos do que os 6,83% registrados em igual período do ano anterior. Em 12 meses, a inflação foi de 8,74%, pouco abaixo do apontado em junho (8,84%). 

  • 49532
  • true
  • http://economia.uol.com.br/enquetes/2016/06/24/o-preco-do-feijao-pesou-no-seu-bolso.js

A estimativa de analistas consultados pela agência Reuters era de alta de 0,45% em julho.

O resultado ainda está muito acima do limite máximo da meta do governo. O objetivo é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, podendo oscilar de 2,5% a 6,5%. Em 2015, a inflação foi de 10,67%. 

Os dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foram divulgados nesta quarta-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Leite pesa no mês; feijão segue em alta

Com grande peso no índice de inflação, o grupo dos alimentos foi o que mais puxou a alta de preços.

Em julho, os preços dos alimentos aumentaram 1,32%, a mais elevada variação para os meses de julho desde 2000 (1,78%). No ano, a alta acumulada é de 8,79%.

O leite foi o item que mais pesou a inflação do mês, contribuindo com 0,19 ponto percentual do aumento de preços.

A bebida subiu 17,58% em julho. Em quatro das treze regiões pesquisadas pelo IBGE, o litro do leite chegou a apresentar alta superior a 20%: Belo Horizonte (23,02%), Rio de Janeiro (22,47%), Brasília (21,76%) e Vitória (21,76%).

O feijão-carioca veio na 2ª colocação, com alta de 32,42% e impacto de 0,13 ponto percentual. Em Curitiba e São Paulo, o preço do quilo chegou a subir 45,20% e 43,98%, respectivamente. O feijão-preto também subiu, passando a custar, em média, 41,59% a mais, enquanto o mulatinho ficou 18,89% mais caro e o fradinho, 14,72%.

Na ponta oposta, apenas os grupos de vestuário e habitação mostraram queda nos preços em julho, de 0,38% e 0,29%, respectivamente.

Shutterstock
O leite foi o que item que mais pesou na inflação do mês, segundo o IBGE

Inflação e juros

A inflação alta tem sido uma das principais dores de cabeça para o Banco Central nos últimos anos. A taxa de juros é um dos instrumentos mais básicos para controle da alta de preços.

Quando os juros sobem, as pessoas tendem a gastar menos e isso faz o preço das mercadorias cair (obedecendo à lei da oferta e procura), o que, em tese, controlaria a inflação.

Porém, a taxa de juros já está alta e aumentá-la ainda mais poderia comprometer a retomada do crescimento da economia. O Banco Central tem dito que buscará deixar a inflação dentro da margem de tolerância deste ano. Atualmente os juros estão em 14,25% ao ano.

Perspectivas

A projeção para a inflação no final de 2016 caiu de 7,21% para 7,20%, segundo o último Boletim Focus, com as expectativas de economistas consultados pelo Banco Central. 

Para os próximos 12 meses, a projeção de inflação caiu de 5,55% para 5,48%. Para 2017, os economistas reduziram a previsão de 5,20% para 5,14%.

(Com Reuters)

Feijão caro faz prato feito ficar menor e com marca mais barata

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos