Bolsas

Câmbio

Reforma da Previdência

Aposentadoria: regra para mais velhos é 'absurda' ou 'tem que ser dura'?

Ricardo Marchesan

Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images/iStockphoto

Um dos pontos mais polêmicos da proposta de reforma da Previdência é a regra de transição, criada, em teoria, para não prejudicar tanto os trabalhadores mais velhos --homens com 50 anos ou mais e mulheres com 45 anos ou mais.

Esses trabalhadores têm um benefício com relação ao tempo --possibilidade de se aposentar antes dos 65 anos--, mas não terão nenhuma vantagem no valor e também precisarão trabalhar 49 anos para receber aposentadoria integral.

Para alguns especialistas em Direito Previdenciário consultados pelo UOL, essa regra é "absurda" e "bastante prejudicial", e, se for aprovada dessa maneira, poderá gerar muitas ações na Justiça. Para outros, a solução é inevitável dado o rombo da Previdência: "tem que ser dura mesmo".

Situações diferentes, tratamento igual

A regra dá "tratamento igual a pessoas em situações totalmente diferentes" e, se for aprovada dessa maneira, pode gerar muitas ações na Justiça, afirma a advogada Vanessa Vidutto, do escritório Gueller Portanova e Vidutto. Ela classifica a regra como "absurda" e "bastante prejudicial". 

"A regra não está respeitando as pessoas que estão na iminência de se aposentar. Quem entrou no sistema (do INSS) há 30 anos não pode ter o mesmo tratamento de alguém que entrou hoje.

Ela diz que acreditava que os trabalhadores mais velhos poderiam usar as regras de cálculo atuais, como a fórmula 85/95. O governo, porém, diz que tanto a 85/95, quanto o fator previdenciário, deixarão de existir.

"Questão mais dura do projeto"

A regra de transição deveria ser mais gradual, diz Thais Maria Resende Zuba, vice-presidente da Comissão Especial de Direito Previdenciário do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Para ela, o novo cálculo do valor "talvez seja a questão mais dura desse projeto". "A pessoa só terá 100% de média salarial com 49 anos de contribuição. Isso faz com que ela deva ter começado a trabalhar aos 16 anos para conseguir isso com a idade mínima de 65 anos", afirma.

Sindicato quer acionar a Justiça

"Falaram que a regra de transição seria para não prejudicar [quem está mais perto de se aposentar], mas ela é só um 'passa-pano'. Prejudica da mesma forma", afirma Tônia Galleti, coordenadora do departamento jurídico do Sindicato Nacional dos Aposentados.

A gente vai sentir saudade do fator previdenciário (cálculo atual, que 'come' parte do valor de quem decide se aposentar mais jovem, e é alvo de críticas dos sindicatos).

Ela afirma que já está trabalhando em uma ação para ser protocolada no Supremo Tribunal Federal, em nome do sindicato, questionando a PEC (Projeto de Emenda Constitucional) que trata da reforma.

"Tem que ser dura"

A reforma da Previdência "tem que ser dura mesmo", diz Hélio Zylberstajn, professor do departamento de economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP).

Não é questão de ser duro demais. O problema é que não tem dinheiro para pagar as aposentadorias. É melhor fazer agora do que ser bonzinho, não ter como pagar aposentadorias no futuro, e depois ter que fazer coisa muito pior lá para frente.

"A PEC está muito bem-feita", diz. "Se ela puder ser implantada do jeito que está, seria muito bom para a sustentabilidade da Previdência".

Ele diz que o governo deve ter proposto regras rigorosas com alguma "gordura", já prevendo que haverá negociações e mudanças no Congresso. "O governo não poderia vir com uma PEC tímida. Tem que vir com uma agressiva para poder ter campo para negociar, recuar em alguma coisa", diz.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos