Caixa suspende crédito mais barato para casa própria, mas BB pode ser opção

Téo Takar

Colaboração para o UOL, em São Paulo

  • Shutterstock

Desde junho, por falta de recursos, a Caixa Econômica Federal deixou de oferecer a linha Pró-Cotista. Depois do Minha Casa, Minha Vida, esse é o crédito mais barato do mercado para quem quer comprar a casa própria, com taxa de juros de 9% ao ano. Nos outros financiamentos imobiliários, a taxa mínima é de 10% ao ano, mas há casos em que os juros podem chegar a 14% ao ano.

A Caixa era o principal banco a oferecer essa opção mais barata, mas só deve retomá-la no ano que vem. Uma alternativa é o Banco do Brasil, que também tem essa linha de crédito imobiliário e ainda conta com recursos disponíveis.

"Temos um volume aportado pelo FGTS que é suficiente para atender a demanda", afirma Edson Pascoal Cardozo, diretor de Empréstimos, Financiamentos e Crédito Imobiliário do Banco do Brasil. 

Caixa liberou 8,5 vezes mais dinheiro que BB

O Banco do Brasil registrou um aumento de 70% nas operações da linha Pró-Cotista nos últimos 12 meses, totalizando R$ 2,5 bilhões. Somente no primeiro semestre deste ano, foram liberados R$ 700 milhões na modalidade.

Para comparação, a Caixa liberou R$ 6 bilhões em financiamentos pela linha Pró-Cotista no primeiro semestre, ou seja, 8,5 vezes mais que o BB no mesmo período.

Por que será que o BB ainda tem dinheiro para financiar e a Caixa não? Será que o processo para liberar o financiamento no BB é burocrático e mais demorado? Vale a pena insistir? Veja o que diz um especialista do setor imobiliário e qual a posição do banco.

Mais conservador

Analistas afirmam que o Banco do Brasil é, tradicionalmente, mais conservador na hora de aprovar empréstimos, se comparado aos seus principais concorrentes.

"Há uma preocupação grande com a inadimplência [calotes]. O Banco do Brasil é muito preso aos seus processos internos de controle. Em um momento como o atual, de desemprego em alta e retração do crédito, é natural que o banco se mantenha fiel à sua estratégia de crédito mais conservadora", afirma Marcelo Prata, especialista em mercado imobiliário.

Pouca divulgação

Outro fato que pode justificar a menor procura do crédito imobiliário do BB é que o banco faz menos campanhas de divulgação desse tipo de produto. "Agora que a Caixa já disse que não vai mais oferecer o Pró-Cotista neste ano, esse seria o momento de fazer campanhas, destacando que o Banco do Brasil tem o produto disponível e ganhar mais espaço no ramo imobiliário", afirma Marcelo Prata.

O BB afirma que não tem intenção de "roubar" clientes da concorrência por meio de campanhas de marketing.

Preferência para quem já é cliente

Procurado pelo UOL, o Banco do Brasil informou que oferece o crédito imobiliário "buscando a rentabilidade de suas operações e a sustentabilidade de seus negócios, dando preferência à sua atual base de clientes, como forma de fidelização".

O banco disse que identificou recentemente 524 mil clientes com potencial de utilização imediata da linha BB Crédito Imobiliário Pró-Cotista e que pretende entrar em contato com parte deles por meio de mensagens no celular e nos caixas eletrônicos.

Menos experiência no ramo

O financiamento de imóveis é um produto ainda relativamente novo dentro da carteira de crédito do Banco do Brasil, com cerca de 10 anos de experiência nesse ramo, enquanto outros bancos já atuam há décadas no segmento.

"O Banco do Brasil sempre foi conhecido pelo crédito ao agronegócio, assim como a Caixa é referência em financiamento à habitação", afirma Marcelo Prata. "É natural que, por falta de expertise, alguns processos burocráticos acabem sendo mais lentos."

O BB nega que seu processo de avaliação de crédito imobiliário seja mais demorado que o dos concorrentes. Segundo o banco, cerca de 60% das operações de crédito são concluídas em até 20 dias, e o prazo médio para assinatura de contratos é de 33 dias. 

Vale a pena insistir

O especialista em financiamento imobiliário Marcelo Prata diz que vale a pena contratar a linha Pró-Cotista do Banco do Brasil, mesmo diante das possíveis dificuldades para conseguir obter o crédito.

"Sem dúvida, é a linha mais barata disponível hoje, tanto pela taxa oferecida como pelo percentual do imóvel que pode ser financiado. Talvez você sofra na agência, por falta de expertise de um gerente, mas tenha paciência e insista que você quer o Pró-Cotista."

Veja se você se enquadra nas condições da linha Pró-cotista

  • É preciso estar trabalhando e contribuindo para o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) há pelo menos três anos, ou ter uma conta inativa do FGTS com saldo equivalente a 10% do valor do imóvel;
  • Se o imóvel for usado, pode custar, no máximo, R$ 950 mil nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal; nos demais Estados, o limite é de R$ 800 mil;
  • Se o imóvel for novo, pode custar até R$ 1,5 milhão;
  • Não há limite de renda, mas o financiamento não pode comprometer mais do que 30% da renda da família;
  • O total financiado pode chegar a até 90% do valor do imóvel, dividido em até 30 anos pelo sistema de amortização. 

Clique aqui para ver mais informações sobre a linha Pró-cotista do Banco do Brasil.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos