Bolsas

Câmbio

Uso de informação privilegiada: entenda acusação sobre os irmãos Batista

Do UOL, em São Paulo

A PF (Polícia Federal) indiciou nesta quinta-feira (21) os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo J&F, por uso de informações privilegiadas e manipulação do mercado financeiro. Eles estão presos na carceragem da PF em São Paulo desde a semana passada.

O relatório com o indiciamento será agora encaminhado ao MPF (Ministério Público Federal), a quem caberá decidir se oferece denúncia contra ambos à Justiça.

Procurados, a JBS e advogados dos irmãos Batista não se manifestaram imediatamente.

O uso de informações privilegiadas teria acontecido entre abril e 17 de maio deste ano, um dia antes de ser divulgado o acordo de colaboração premiada dos irmãos Batista com a PGR (Procuradoria Geral da República).

Segundo a PF, Wesley e Joesley teriam vendido ações da JBS e comprado dólares antes de ser divulgado o conteúdo da delação porque sabiam que, quando a delação viesse à tona, o mercado financeiro reagiria negativamente, as ações da JBS cairiam e o dólar subiria. 

De fato, no dia da divulgação da delação, os papéis da JBS despencaram e o dólar disparou. Quem havia vendido as ações, portanto, deixou de perder muito dinheiro. Quem havia comprado dólares, teve ganhos milionários.

Investigação dividida em duas partes

A investigação da PF foi dividida em duas partes. A primeira apura a venda de ações da JBS pela FB Participações e a compra dessas ações por parte da própria JBS. A operação teria repassado para os acionistas da JBS parte do prejuízo que a FB Participações, de capital fechado, teria quando as ações da JBS caíssem.

O segundo evento é a intensa compra de contratos de dólares no mercado futuro entre 28 de abril e 17 de maio por parte da JBS. As operações estariam fora do padrão de movimentação financeira da empresa, gerando ganhos após a revelação da delação.

Órgão regulador do mercado também investiga

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários), órgão regulador do mercado financeiro, também abriu processos para investigar as ações realizadas pela JBS, mas o órgão tem poder de impor apenas sanções administrativas.

Desde 18 de maio, são 13 procedimentos entre inquéritos e processos administrativos abertos por iniciativa da CVM envolvendo a JBS e outras empresas do grupo. Além da investigação envolvendo a FB Participações, a CVM apura irregularidades em empresas como Eldorado Brasil Celulose, Seara Alimentos e Banco Original. 

(Com agências de notícias)

Furar fila e comprar pirata são as corrupções do dia a dia do brasileiro

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos