Topo

Gás pode subir mais para consumidor do que na refinaria; saiba economizar

Shutterstock
Imagem: Shutterstock

Natalia Gómez

Colaboração para o UOL, em Maringá (PR)

2019-02-06T04:00:00

06/02/2019 04h00

A Petrobras anunciou na segunda-feira (4) que o preço do botijão de gás de cozinha de 13 kg nas refinarias passou de R$ 25,07 para R$ 25,33, uma alta de 1,04%. A estimativa é que o aumento para os consumidores seja maior em alguns locais. O Sindigás, que representa as distribuidoras de GLP, afirmou por meio de nota que o reajuste oscilará entre 0,5% e 1,4%, de acordo com a região.

Os revendedores esperam um repasse do aumento de preço por parte das distribuidoras. "Quando a Petrobras aumenta os preços, as distribuidoras sobem ainda mais. Mesmo quando a Petrobras diminui o preço, as distribuidoras não reduzem o preço para a revenda", afirmou o presidente da Associação Brasileira dos Revendedores de GLP (Asmirg), Alexandre José Borjaili, que representa 75 mil revendas no país.

Como economizar gás

Confira algumas dicas do Sindigás para gastar menos:

  • Utilize panelas proporcionais à boca do fogão. Caso contrário, uma parte do calor acaba passando para o ar e não para a panela
  • Tampe as panelas para tornar o processo mais rápido
  • Deixe os alimentos de molho um dia antes. Esta dica é válida para grãos como arroz, feijão, grão-de-bico, ervilhas secas, soja e semente de trigo
  • Descongele os alimentos previamente
  • Use mais a panela de pressão
  • Otimize o uso do forno, levando mais de um prato para assar
  • Mantenha as bocas do fogão limpas para não retardar o cozimento

Política de preços da Petrobras

Segundo Borjaili, o aumento do preço nas refinarias não era esperado pelos revendedores. A política de reajustes de preço da Petrobras passou a ser trimestral em janeiro do ano passado e prevê o acompanhamento dos preços internacionais. 

"Todo mundo levou um susto com essa alta porque o preço do GLP importado colocado no Brasil está em R$ 20,55, então esperávamos uma queda de R$ 5", afirmou. 

A Asmirg informou que vai procurar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para denunciar o reajuste, que considera uma "prática abusiva de preço" por parte da Petrobras.

Procurada pelo UOL, a Petrobras afirmou que se baseia em uma média de preços dos gases butano e do propano no mercado europeu para compor o preço do GLP e que a desvalorização do real frente ao dólar foi o principal fator para a alta. 

Segundo a Petrobras, o reajuste trimestral tem como objetivo suavizar os impactos da volatilidade externa sobre os preços domésticos.

De acordo com a estatal, sua contribuição para o preço final do GLP ao consumidor é de 37%, enquanto 44% correspondem à cadeia que distribui e revende o produto. Incidem ainda 16% de ICMS e 3% de Cofins.

Por que a inflação no nosso bolso parece maior do que a inflação oficial?

UOL Notícias

Mais Economia