IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Mídia e Marketing


Instagram Stories é o queridinho da vez entre os anunciantes

Getty Images
Imagem: Getty Images

Renato Pezzotti

Colaboração para o UOL,em São Paulo

06/05/2019 04h00

Na semana passada, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, divulgou um furacão de novidades. O Instagram, por exemplo, começará testes para diminuir a importância dos likes, deixando de mostrar publicamente o número de curtidas em fotos e vídeos.

Além disso, terá tags específicas para compras: qualquer influenciador poderá marcar um produto que está usando, permitindo que seus seguidores comprem-no diretamente da rede. Esse "abraço" ao e-commerce pode reforçar a vocação do Instagram como queridinho dos anunciantes.

Stories: maior engajamento com as marcas

Segundo um levantamento da empresa Socialbakers, o Instagram já tem três vezes mais interações que o Facebook. O estudo avaliou mais de 13 milhões de perfis no mundo todo, comerciais ou não, por meio do engajamento de conteúdos publicitários.

Para Alexandra Avelar, country manager da Socialbakers, o levantamento mostra como o comportamento do consumidor tem mudado. Segundo ela, os usuários das redes sociais estão buscando mais avaliações e vozes confiáveis antes de suas decisões de compra.

"Isso criou uma enorme oportunidade para que influenciadores e marcas se unam e criem conexões autênticas com o público", disse.

Segundo o estudo, o formato de Stories tornou-se uma fonte inestimável de engajamento para marcas. Em um ano, o uso de Stories de forma comercial cresceu 21%. Alexandra aponta três motivos:

  1. Produções mais simples, que aproximam o público do influenciador;
  2. O fato das publicações pegarem carona na vida real do influenciador, tornando a interação mais detalhada e menos cansativa;
  3. O contato mais tangível, que permite conversas diretas entre o influenciador, a marca e o consumidor.

O potencial dos microinfluenciadores

No universo de 13 milhões de perfis estudados, cerca de 2,3 milhões são de latino-americanos. Desses, a grande maioria (97%) é de microinfluenciadores, que têm entre 1.000 e 100 mil seguidores.

"O microinfluenciador, hoje, é uma voz ativa para as marcas. São extremamente relevantes para um nicho de mercado e possuem muito espaço para crescer", afirmou a executiva da Socialbakers.

Em fevereiro deste ano, a plataforma Squid traçou um perfil dos microinfluenciadores brasileiros: 41% deles têm entre 10 mil e 25 mil seguidores, 70% são mulheres, mais da metade (53,2%) têm entre 26 e 35 anos, e preferem falar de lifestyle (36,7%), moda (22%) e arte (18,1%).

Uso de sensores permite personalizar produtos, diz SAP Brasil

UOL Notícias

Mais Mídia e Marketing