Topo

Paulo Guedes: "Achamos que ano que vem Brasil pode crescer acima de 2%"

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fala durante seminário sobre a MP da Liberdade Econômica - Pedro Ladeira - 12.ago.19/Folhapress
O ministro da Economia, Paulo Guedes, fala durante seminário sobre a MP da Liberdade Econômica Imagem: Pedro Ladeira - 12.ago.19/Folhapress

Do UOL*, em São Paulo

27/09/2019 22h40

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a expectativa para o próximo ano é que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresça mais do que 2%. Em entrevista ao Jornal da Record, Guedes atacou os encargos trabalhistas e afirmou que, nas últimas décadas, "a economia brasileira foi vítima de uma forte desaceleração econômica."

"É uma das economias que mais crescia no mundo, mais gerava emprego, trouxe imigrantes do mundo inteiro, e nos últimos anos com juros altos, impostos elevados, o Brasil perdeu a dinâmica de crescimento", que classificou os impostos trabalhistas pagos pelos empresários como criadores "do fenômeno do desemprego em massa."

Dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua divulgados hoje pelo IBGE mostraram que há 12,6 milhões de desempregados no país. A categoria dos empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado (11,8 milhões de pessoas) bateu recorde da série histórica. Outro recorde foi com relação ao número de trabalhadores por conta própria: 24,3 milhões de pessoas.

O IBGE informou que 41,4% da população ocupada no país se encontra na informalidade. É a maior proporção desde 2016, quando esse indicador passou a ser divulgado. Das 684 mil pessoas que encontraram emprego no trimestre, 87,1% foram no mercado informal.

Para Guedes, o aumento da informalidade no mercado de trabalho é "o registro de uma nova forma de relacionamento que ainda não estão nos dados". Questionado sobre a volta de um imposto aos moldes da CPMF, o ministro afirmou que a última pessoa que tocou no assunto "foi demitida", em referência ao ex-secretário da Receita Federal, Marcos Cintra. "Estamos estudando uma alternativa", disse Guedes.

Ipea reduz projeção do PIB

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) reduziu a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para o ano que vem. A alta esperada passou de 2,5% para 2,1%.

A revisão foi motivada pela deterioração do cenário internacional e pelo atraso na recuperação da confiança, especialmente do setor industrial, justificou José Ronaldo de Castro Souza Júnior, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea.

"Nossa expectativa é que a atividade comece a se recuperar mais claramente em outubro, novembro e dezembro, no último trimestre do ano. Porque aí você já começa a ter impactos da melhora do cenário com as reformas e agora já começa a introduzir a redução adicional da taxa de juros, que demorar mais a ter impacto. O FGTS está ajudando, e a inflação de alimentos melhorando, o que melhora a renda especialmente dos mais pobres", enumerou Souza Júnior.

O PIB brasileiro deve ter um avanço de 0,2% no terceiro trimestre, em relação ao segundo trimestre do ano. Na comparação com o terceiro trimestre do ano anterior, o Ipea espera um crescimento de 0,7% no terceiro trimestre deste ano. O instituto manteve a sua projeção de alta de 0,8% no PIB do ano de 2019.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Economia