IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Black Friday 2019 deve movimentar R$ 3,5 bi no comércio eletrônico

Estadão Conteúdo
Imagem: Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

13/11/2019 10h49

Resumo da notícia

  • Black Friday 2019 deve movimentar 19% a mais do que ano passado
  • Projeção de faturamento é de R$ 3,5 bilhões, diz Compre&Confie
  • Aumento se deve a mais pedidos, já que preços estão mais baratos

A movimentação do e-commerce na Black Friday 2019 deve apresentar crescimento de 19% em relação ao ano passado, segundo pesquisa do Compre&Confie. Ao todo, a data deve movimentar R$ 3,5 bilhões no comércio eletrônico.

A projeção considera o faturamento total estimado para as vendas realizadas nos dias 28 e 29 de novembro. O aumento é impulsionado por um maior volume de compras, já que o preço médio dos pedidos deve apresentar queda em relação ao mesmo período de 2018.

Ao todo, devem ser realizados 5,8 milhões de pedidos, representando aumento de 24% em relação à Black Friday 2018. O tíquete médio deve ser de R$ 600, queda de 4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Segundo André Dias, diretor do Compre&Confie, o crescimento pode ser explicado por vários fatores: "Os mecanismos criados por diversas empresas para comprovar que os descontos são reais, somados à proximidade do Natal e recebimento de parcela do 13º salário pelo brasileiro, explicam o otimismo do setor".

O crescimento deve ser observado principalmente em categorias de maior valor agregado, como eletrônicos e telefonia.

Crescimento do setor em 2019

De acordo com o Compre&Confie, somente no primeiro semestre deste ano, mais de 19 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra online - aumento de 35,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Além disso, uma pesquisa conduzida pela companhia com 2.705 consumidores que fizeram pelo menos uma compra pela internet no último ano mostrou que 72% deles pretendem comprar novos produtos e aproveitar as promoções da Black Friday.

Outros 25% podem comprar caso as ofertas apresentem boas vantagens, e apenas 4% não pretendem aproveitar as promoções. No topo dos itens mais desejados estão eletrônicos (51%), telefonia (35%), informática (28%), moda e acessórios (24%) e eletrodomésticos (23%).

"É fundamental que varejistas tenham forte planejamento e estejam preparados para atender à demanda e suprir a necessidade dos consumidores. Investir em estoques de produtos de maior demanda, infraestrutura tecnológica e melhorias de processos operacionais são pontos fundamentais para aproveitar o sucesso que a data deve trazer", comentou Dias.

Economia