PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Black Friday: compras online na madrugada têm aumento de 69% sobre 2018

Black Friday 2019: veja detalhes dos celulares que custam até R$ 3.000 - Arte/UOL
Black Friday 2019: veja detalhes dos celulares que custam até R$ 3.000 Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo*

29/11/2019 16h00

As primeiras horas de vendas na Black Friday no e-commerce totalizaram R$ 362.1 milhões, segundo dados divulgados pela Ebit/Nielsen. O número é 69% superior ao mesmo período de 2018, quando as vendas para este dia somavam R$ 213.8 milhões.

Em sete horas, o varejo online brasileiro vendeu metade do total faturado no esquenta Black Friday (25 a 27 de novembro), quando o total foi de R$ 751 milhões. O tíquete médio para as primeiras horas da sexta-feira de Black Friday foi de R$ 808, crescimento de 5% na comparação com 2018 (R$ 769).

"O consumidor voltou a aderir a virada, e passou literalmente a madrugada online fazendo as suas compras. O pico foi entre meia-noite e 2h da manhã, o tíquete médio mais alto foi registrado nesta mesma faixa de horário R$ 849", explicou a líder de Ebit/Nielsen, Ana Szasz.

O volume de pedidos nestas 7 horas de Black Friday foi de 448 mil, variação de 61% frente ao mesmo período de 2018 (278 mil), informou a pesquisa. Entre 5h e 6h da manhã, o volume de pedidos atingiu 28 mil, uma variação de 206% na comparação com a mesma faixa de horário do ano anterior.

Antecipado

O levantamento mostra ainda que as vendas da quinta-feira de Black Friday no e-commerce totalizaram R$ 731 milhões, segundo dados da Ebit/Nielsen. O número é 20% maior que o registrado no mesmo período de 2018, quando as vendas para este dia somavam R$ 608,7 milhões.

O total de pedidos de ontem chegou a 1,4 milhão, uma variação de 18% em relação ao mesmo dia de 2018 (1,2 milhão). O tíquete médio nas 24 horas iniciais da Black Friday foi de R$ 525, alta de 2% frente ao ano passado (R$ 515).

No recorte regional, a Ebit/Nielsen indica que a região Sudeste liderou o volume de pedidos na quinta-feira com 66%, seguida pelo Sul com 15%. O Nordeste aparece logo após com 10% das compras, Centro-Oeste com 7% e, por último, o Norte com 2%.

Segundo informações da Ebit/Nielsen, 53% dos pedidos de ontem foram via mobile (753 mil), uma variação de 77% frente a 2018. Os dados mostram que 51% do faturamento (R$ 377 milhões) foi por meio de dispositivos móveis, alta de 97% em relação ao ano passado.

*Com informações da Agência Estado