PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Guedes diz que governo estuda como usar maquininhas para conceder crédito

Paulo Guedes, ministro da Economia -  Agência Brasil
Paulo Guedes, ministro da Economia Imagem: Agência Brasil

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo*

04/04/2020 18h37

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje que o governo estuda formas de utilizar o setor de terminais de pagamento, popularmente conhecidos como maquininhas de cartão, para conceder crédito a empresários.

"Tanto os aplicativos quanto as maquininhas são viáveis [para conceder créditos]. Nós já estamos estudando e eu sei que o Banco Central já está examinando, já está conversando com André Street, da Stone [rede de máquinas de cartão], o Cafarelli da Cielo, o outro lá da PagSeguro", afirmou Guedes, ao responder a pergunta de um empresário em live promovida pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas)

"Nós estamos conversando com essa turma toda. E justamente a ideia do Banco Central é a de conseguir sair do cercadinho que ele fica, que só poder negociar com banco. A nossa ideia é que ele consiga superar essa barreira e que vá direto abrir janela de redesconto para as maquininhas, para todo mundo que quiser entrar nessa cadeia", afirmou.

Antecipação de feriados

O ministro da Economia disse ainda que o governo já autorizou a antecipação de feriados neste momento em que muitas cidades estão em isolamento social, e o comércio está fechado, por causa da pandemia do coronavírus.

A afirmação sobre essa hipótese foi feita assim que um empresário que participava da live fez tal sugestão.

Num primeiro momento, Guedes citou a possibilidade de antecipar todos os feriados para o período de quarentena e, depois, disse que isso já foi autorizado, sem detalhar.

"Depois desse período, o Brasil seria reaberto, poderíamos sair para trabalhar", afirmou. "Já estamos passando os sábados e os domingos 'juntos'. Nós vamos precisar disso, do comércio funcionando nos feriados quando essa fase passar, até do ponto de vista de uma ressurreição espiritual", afirmou o ministro.

* Com Estadão Conteúdo

Economia