PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Vendas de Páscoa caem 3,7% em supermercados de SP por conta do coronavírus

Venda de ovos de páscoa em supermercado de São Paulo em março de 2018 - Cris Faga/NurPhoto via Getty Images
Venda de ovos de páscoa em supermercado de São Paulo em março de 2018 Imagem: Cris Faga/NurPhoto via Getty Images

Do UOL, em São Paulo

15/04/2020 12h54Atualizada em 15/04/2020 15h03

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) divulgou hoje que as vendas de Páscoa tiveram uma queda de 3,7% em relação ao ano passado. Os números são melhores que a previsão anterior, que estimava uma queda de 8,5% nas vendas em todo o estado de São Paulo.

A melhora se deu pelo aumento da circulação nas lojas durante a Semana Santa. As vendas acima das projeções foram registradas no último domingo em supermercados de todo o estado.

Os números representam compras relacionadas à Páscoa, ou seja, ovos, chocolates e afins. Um dos motivos para a baixa nessas vendas é o fato de as famílias focarem seus gastos em produtos básicos, higiene e limpeza.

Alta nas vendas

No dia 7 de abril, o setor registrou um aumento de 45,1% nas vendas em comparação a média semanal, considerando todos os produtos.

A alta da procura por produtos de assepsia como o álcool líquido e em gel esgotou o estoque em alguns comércios no último mês. Economistas alertam que a estocagem de mantimentos pode desregular os preços da cesta básica.

Os supermercados são um dos poucos segmentos que têm permissão de funcionar durante a quarentena em São Paulo, que segue até o dia 22 de abril.

Em nota a Apas sugere aos consumidores que não estoquem produtos e não comprem além da necessidade. A entidade também recomenda que os consumidores busquem por produtos substitutos, com preços menores.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que pessoas sem sintomas da covid-19 usam máscaras de pano quado saírem de casa. Essas máscaras podem ser feitas em casa.

PUBLICIDADE
Errata: o texto foi atualizado
Errata: o texto foi atualizado Diferentemente do informado no título e no primeiro parágrafo desta matéria, as vendas de Páscoa caíram 3,7% e não -3,7%, bem como a previsão anterior que estava -8,5%, o correto é 8,5%. A informação já foi corrigida.