PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Setor aéreo não sobrevive sem ajuda do governo, diz presidente da Latam

A maior parte das operações da Latam foi suspensa por conta da pandemia - Instagram/latamairlines
A maior parte das operações da Latam foi suspensa por conta da pandemia Imagem: Instagram/latamairlines

Do UOL, em São Paulo

22/04/2020 08h32

O setor aéreo foi um dos primeiros a sofrer o grande impacto da pandemia do novo coronavírus e, para a Latam, as empresas do ramo precisam de ajuda do governo. Caso contrário, não irão sobreviver.

Segundo Jerome Cadier, presidente da empresa, a previsão de queda na demanda do transporte aéreo após a pandemia pode ser de 30% a 40%, explicou o executivo em entrevista ao jornal O Globo.

"Sem ajuda governamental a indústria não sobrevive. A depender de quanto tempo durar a crise, com demanda inexistente, as empresas chegarão em situação de insolvência absoluta. E aí vai precisar uma ajuda mais contundente. As empresas precisam ter acesso a crédito. E ele terá de vir de fundos públicos", afirmou.

A Latam está operando hoje com apenas 25 voos diários, algo como 3% de sua capacidade antes da pandemia. Mesmo assim, as viagens seguem com poucos passageiros. Cadier acredita que o pior ainda está por vir.

"Vai ser um cenário muito crítico. Quem não tiver custo baixo, não sobrevive", afirmou. "Estamos queimando combustível. A minha malha hoje não paga o custo variável. Os únicos países em que estamos operando hoje são Chile e Brasil, atendendo a uma demanda dos governos. O ideal hoje seria parar de voar."

As perspectivas de futuro para Cadier ainda são desafiadoras, mas algumas coisas já estão claras. O primeiro desafio para a Latam será fazer com que a empresa não se resuma a 2020 e todos os seus impactos. Contas precisarão ser feitas para equilibrar o caixa, folha de pagamento, fornecedores, entre outras demandas.

Na sequência, o executivo ressalta que virá uma segunda onda para o setor e que será preciso continuar repensando vários aspectos da operação. O principal desafio será o fato de ter menos passageiros e um excesso de capacidade empurrando os preços para baixo.

"Estamos trabalhando com uma queda de 30% a 40% para 2021. O passageiro a turismo vai ter menos economias e vai postergar a viagem. E o de negócios está encontrando outras maneiras de trabalhar", explicou.

Reduzir a oferta será outro grande desafio, já que Cadier reforça que avião parado tem um custo e que esse custo de operação virou o fator número 1 de alerta.

"Como eu terei me endividado para sobreviver à primeira onda, vou querer botar o avião para voar. Se a margem não for positiva no curto prazo, eu morro no médio prazo. Vai ser um cenário muito crítico. Quem não tiver custo baixo, não sobrevive. Talvez as empresas sobrevivam à primeira onda. Mas muitas podem desaparecer em 2021, 2022", disse.

Para reduzir os custos, o presidente explica que será preciso trabalhar com um custo por hora de voo 25% menor e que muitas mudanças na forma com que o setor aéreo trabalha precisarão ser feitas, como a maneira de remunerar os tripulantes, contratação de mão de obra, contratos com empresas, fabricantes.

Cadier acredita que tudo deverá ser mais flexível, o que inclui uma necessidade de revisão da quantidade de horas máximas de voos permitidas para os tripulantes.

"Vamos ter que caminhar na direção de mais flexibilidade. E o setor é tudo menos flexível (...) A única coisa que consigo ver de positivo hoje é a possibilidade de revermos regras tão restritivas", destacou.

Sobre as alternativas que a Latam já adotou para equilibrar as contas, Cadier explicou que foi possível reduzir custos trabalhistas com o seu programa voluntário de licença não remunerada (de três meses) que teve adesão de cinco mil funcionários.

"Se liberar o FGTS, mais gente pode aderir. Os 14 mil restantes estão em licença compulsória, recebendo 50% do salário. Mas seria importante sair nos próximos três a seis meses. Daqui a pouco vamos precisar discutir como vai ser julho e agosto. Não há garantia que todo mundo terá emprego na volta da licença", afirmou.

Economia