PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Latam adia voo de brasileiros nos EUA para maio, mas tem bilhete para antes

O administrador Rosier Saraiva Filho e sua mulher não conseguem voltar dos EUA - Reprodução/Instagram
O administrador Rosier Saraiva Filho e sua mulher não conseguem voltar dos EUA Imagem: Reprodução/Instagram

Filipe Andretta

Do UOL, em São Paulo

01/04/2020 12h56

Brasileiros que viajaram aos EUA e tinham passagem de volta comprada pela Latam dizem estar inconformados com a companhia. Eles afirmam que a aérea adiou a viagem de volta de março para maio por causa do coronavírus, mas segue oferecendo bilhetes em voos dos EUA ao Brasil para datas anteriores.

O UOL confirmou nesta quarta-feira (1º) que o site da Latam está vendendo passagens dos EUA para cá com viagens no começo de abril. Aos passageiros, a empresa disse que não há vaga disponível antes de 30 de abril.

Em razão da pandemia de coronavírus, a Latam anunciou no domingo (29) que manterá apenas três rotas internacionais partindo do Brasil: duas para os EUA (Miami e Nova York) e uma para o Chile (Santiago).

Procurada pela reportagem, a Latam não respondeu sobre os casos específicos citados na reportagem. Em nota, a empresa disse que não pode transferir os brasileiros que aguardam nos EUA para voos com assentos à venda porque essas rotas são operadas por outras companhias aéreas via codeshare (acordo de compartilhamento de voos).

No entanto, a reportagem encontrou anúncios de passagens em voos da própria Latam para o Brasil. Além disso, a empresa não explicou por que a parceria em codeshare impede a realocação de passageiros em momentos de crise internacional como o atual.

Site vende passagens

O administrador Rosier Saraiva Filho, sua esposa e um casal de amigos tinham passagem de volta comprada para a última sexta-feira (27) pela Latam, de Miami para Fortaleza. Mas a empresa remarcou a viagem várias vezes, primeiro para 29 de março, depois para 31 de março e, mais recentemente, sem data certa.

Em situação parecida estão as brasileiras Maria Almeida e Maria Lucia Gama. Elas tinham voo de Miami para Fortaleza comprado para 31 de março. A passagem foi adiada para 7 de abril e, agora, está novamente com data indefinida.

Na última vez em que conseguiram contato com a Latam, todos foram comunicados de que só haverá voo a partir de maio.

Na noite desta segunda-feira (30), o UOL simulou a compra de uma viagem para o dia seguinte (31). Havia bilhetes da Latam na classe econômica por R$ 2.201 e na executiva por R$ 10.287, em dois horários diferentes, e pelo menos uma dezena de poltronas disponíveis em cada voo.

latam eua 1 - Reprodução/Site Latam - Reprodução/Site Latam
Na noite de segunda, site da Latam ainda vendia passagens de volta para o dia seguinte
Imagem: Reprodução/Site Latam

Os voos em questão têm duas escalas e são operados por companhias parceiras da Latam via codeshare.

O UOL também encontrou passagens em voo direto de Miami para Fortaleza para esta quarta-feira (1º). A reportagem chegou até a última etapa de compra de um bilhete na classe econômica, por R$ 2.162.

latam eua 2 - Reprodução/Site Latam - Reprodução/Site Latam
Latam vende passagens para voos diretos nos próximos dias, mas não oferece essas vagas para brasileiros que aguardam para retornar
Imagem: Reprodução/Site Latam

Existem ainda diversos voos diretos nos próximos dias entre Miami e São Paulo, operados pela Latam. Um deles, o voo LA8191, está previsto para sair amanhã, às 20h15 (horário local), com passagens a partir R$ 2.698.

A Latam não informou por que os brasileiros não poderiam ser repatriados nesses voos.

Passageiros dizem ser difícil contato com a empresa

Os brasileiros que aguardam nos EUA também se queixam da dificuldade em entrar em contato com a companhia. Eles têm sido comunicados sobre os cancelamentos por e-mail.

Não conseguimos falar por aplicativo, chat ou telefone. Ficamos horas e horas tentando e, quando conseguimos, o atendente não sabe informar e derruba a ligação
Rosier Saraiva Filho, cliente da Latam

O site da companhia oferece formulário de viagem de retorno internacional, mas o link apresentava defeito nesta quarta-feira.

"O chat online também está sem condições. O site diz que tem mais de 1.000 pessoas na frente", disse a enfermeira Raquel Brito. Ela mora nos EUA, recebeu a visita de parentes e está tentando ajudá-los a retornar ao Brasil.

Aumento dos gastos e dólar alto

Os clientes da Latam ouvidos pela reportagem afirmam que não receberam hospedagem, alimentação ou qualquer auxílio por parte da companhia para cobrir despesas enquanto aguardam a definição sobre o voo de volta.

Rosier, sua esposa e o casal de amigos tiveram que alugar um apartamento em Orlando, na Flórida. O administrador afirma que não sabe como vai fazer para cobrir todas as despesas se tiver que esperar até maio.

Cada dia é um grande prejuízo, o dólar está nas alturas. Estamos longe de casa, sem poder trabalhar e com risco alto de contaminação
Rosier Saraiva Filho, cliente da Latam

Rosier diz que, além de o dólar estar muito caro, os preços estão mais altos do que o comum por causa das restrições no comércio. Ele afirma que está difícil encontrar produtos de higiene pessoal nos mercados.

Os EUA ultrapassaram a China em número de mortes confirmadas por covid-19. No último domingo, o presidente Donald Trump estendeu as diretrizes de isolamento até o final de abril para conter a disseminação do coronavírus.

Leia a íntegra da nota da Latam

"Com relação aos voos ainda disponíveis no site para o trecho Miami - Fortaleza, a Latam informa que são operados via codeshare (código compartilhado) por outras empresas e com conexões em diversas cidades. Além disso, conforme anunciado no dia 30, a Latam mantém as rotas entre São Paulo/Guarulhos e Miami e entre São Paulo/Guarulhos e Nova York (JFK)."

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Latam anuncia suspensão de voos internacionais

Band Notí­cias

Economia