PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Secretário admite continuidade de auxílio emergencial com valor de R$ 200

Waldery Rodrigues disse que nova parcela será baseada no valor do Bolsa Família - Ricardo Borges/Folhapress
Waldery Rodrigues disse que nova parcela será baseada no valor do Bolsa Família Imagem: Ricardo Borges/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

22/05/2020 12h32

O secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, reconheceu hoje que o plano do governo é manter o auxílio emergencial, mas com valor inferior às três parcelas anunciadas inicialmente de R$ 600. A ideia é usar o valor médio de pagamento do Bolsa Família, que é de R$ 200 ao mês.

"Dados os benefícios (do auxílio emergencial), tanto diretos como indiretos, o ministro (Paulo Guedes) chegou a comentar uma referência nesse caso que é o Bolsa Família, que tem um ticket médio de R$ 200 por mês", disse Rodrigues em entrevista à Globonews.

O secretário justificou que o auxílio tem provocado um impacto positivo muito importante na economia, e por isso seria fundamental dar continuidade a essa ajuda a informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados.

"Quando olhamos o auxílio emergencial e a extensão da crise, que é imprevisível, a preocupação do Ministério é de que haja uma transição para esse programa, para que não deixemos os mais vulneráveis", explicou Rodrigues.

"De todas as medidas que o governo já tomou, em torno de 20 medidas, um número realmente elevado, dessas o auxílio emergencial é o que tem mais impacto fiscal, a gente estima em R$ 51,5 bilhões", acrescentou o secretário. "O impacto de mais de R$ 50 bilhões por mês é muito elevado. Por exemplo, é o dobro do Bolsa Família para todo o ano."

Esse gasto elevado é o que motiva a redução do valor das parcelas mensais, segundo o governo. O pagamento do auxílio de R$ 600 estava programado para apenas três meses e o Ministério da Economia já antecipou que esse modelo não será prorrogado. As três parcelas com valor maior terminam em junho.