PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Pandemia faz busca por leilões online de casa e carro crescer até 70%

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/11/2020 04h00

Quem já participou de um leilão, seja de carro, imóvel ou outros produtos? Nesta pandemia, os leilões passaram a ter mais presença online e tiveram um aumento —que varia de 20% a 70%— no número de participantes, de acordo com empresas do setor ouvidas pelo UOL.

Entre os principais motivos apontados, estão:

  • No home office, com mais tempo disponível e maior acesso à internet, o público teve um olhar mais voltado aos negócios online.
  • Pessoas físicas e jurídicas aproveitaram a crise para fazer bons negócios.
  • Leiloeiros utilizaram as mídias sociais para alcançar interessados.

Jairo Lopes, diretor e fundador da Lance Já, disse que o crescimento de participantes dos leilões organizados pela empresa na quarentena foi de 70%, em relação aos meses pré-pandemia. "O isolamento social foi favorável para as compras em plataformas online como a Lance Já", afirmou.

São cerca de 150 leilões por ano, entre imóveis, veículos, máquinas, equipamentos e bens diversos. Em média, os descontos chegam a 50%.

Boas ofertas

Entre março a setembro, a Sold Leilões registrou aumento de 40% no número de participantes, na comparação com o mesmo período do ano passado. "A pandemia aflorou a necessidade de boas oportunidades, em razão da crise", afirmou Henri Zylberstajn, CEO da Sold Leilões.

A Sold, especializada em venda de imóveis, veículos e itens provenientes de estoques de empresas e desativações corporativas e hoteleiras, organiza 2.000 leilões por ano, em média.

Os descontos no valor de lance inicial podem chegar a 90% para móveis, eletro e informática, 50% para imóveis e 35% para veículos, em média.

A Sold registrou ainda aumento no número de leilões realizados na pandemia: imóveis (+65%), veículos (+50%) e desativações de empresas e hotéis (+200%).

A crise afetou em cheio empresas de alguns setores, que precisaram se desfazer dos bens para gerar liquidez e reforçar o caixa ou por motivos de falência.
Henri Zylberstajn, CEO da Sold Leilões

Mais tempo para analisar

A Sanches Leilões também registrou crescimento (cerca de 30%) no aumento de participantes nos leilões. Para Antonio Sanches Ramos Junior, leiloeiro oficial da Sanches, o aumento deve-se ao fato de as pessoas, na pandemia, terem mais tempo para analisar as ofertas e se sentirem mais seguras.

Os leiloeiros tiveram que ser criativos para demonstrar os bens ao público no leilão online.
Antonio Sanches Ramos Junior, leiloeiro oficial da Sanches

Por ano, a empresa realiza cerca de 50 leilões. Nos leilões de imóveis, com pagamento à vista, o desconto varia entre 10% e 12%.

Na Fidalgo Leilões, o aumento de interessados triplicou. "O acesso no online foi três vezes maior do que em leilões híbridos [presencial e online], realizados antes da pandemia", afirmou Douglas Fidalgo, dono da empresa.

O desconto varia de acordo com o tipo de leilão, mas o mínimo é de 30% em relação ao mercado.

Aumento do público e dos leilões

Na Sodré Santoro Leilões, houve um aumento médio de 20% tanto no fluxo de interessados como na quantidade de leilões, entre junho e setembro, em relação ao mesmo período do ano passado.

Em 2019, a empresa realizou 1.278 leilões, entre imóveis e veículos oriundos de empresas, bancos, financeiras, seguradoras e órgãos governamentais.

O desconto vai de 10% a 90%. Veículos têm desconto de 27% em média.

Não foi só a pandemia

Para André Zukerman, CEO da Zukerman Leilões, o crescimento de 20% no número de cadastrados no site entre março e setembro, em comparação com o ano passado, não teve relação direta com a pandemia.

Normalmente identificamos um crescimento das oportunidades em leilão de um ano para outro, independentemente da pandemia.
André Zukerman, CEO da Zukerman Leilões

A Zukerman é especializada na realização de leilões de imóveis de origem judicial e extrajudicial. São imóveis residenciais, comerciais e rurais. Por ano, são cerca de 8.000 imóveis leiloados. Os descontos chegam a 60%, em média.

Dívidas neste ano vão aumentar leilões

Consultada pelo UOL, a Frazão Leilões informou não ter tido aumento no número de leilões neste ano, mas prevê que as dívidas causadas pela crise farão crescer o número de leilão em 2021.

No ano que vem, teremos sim um aumento no número de imóveis em leilão em decorrência da inadimplência de contratos de financiamento. Neste ano, o número de inadimplentes é crescente, e muitos não conseguirão colocar os pagamentos em dia antes que as instituições retomem os bens. Essa retomada acarreta em leilão.
Claudia Frazão, leiloeira da Frazão Leilões

A Frazão Leilões faz 250 leilões em média por ano. Em 2019, foram leiloados mais de 3.000 imóveis. Há imóveis com desconto de até 80%, mas a média de lances iniciais é de 60%.

Cuidados antes de comprar em leilão

  • Ler o edital, para conhecer todas as condições de participação e pagamento
  • Antes de comprar imóvel ou veículo, recomenda-se ir ao local para vistoriar o produto
  • Verificar se o leiloeiro está cadastrado na Junta Comercial
  • Efetuar os pagamentos exclusivamente na conta corrente do leiloeiro
  • Ficar atento para não cair em golpes em sites falsos
  • Checar avaliações da empresa em sites de busca
  • Desconfiar de ofertas muito desproporcionais

No caso de leilões de imóveis, especialistas recomendam comprar preferencialmente casas e apartamentos desocupados, ficar de olho nos preços e contratar uma consultoria jurídica. Veja outras dicas antes de comprar imóvel num leilão.