PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Paris e Zurique lideram cidades mais caras do mundo; Rio e SP caem a 119ª

Capital francesa substituiu Singapura e é a cidade mais cara do mundo, segundo a The Economist - Mehdi Taamallah/NurPhoto via Getty Images
Capital francesa substituiu Singapura e é a cidade mais cara do mundo, segundo a The Economist Imagem: Mehdi Taamallah/NurPhoto via Getty Images

Do UOL, em São Paulo

18/11/2020 16h07Atualizada em 18/11/2020 16h17

Paris e Zurique se uniram a Hong Kong no trio de cidades com custo de vida mais elevado, substituindo Singapura e Osaka, aponta o relatório The Economist Intelligence Unit (EIU), publicado hoje pela revista britânica The Economist. Já Rio de Janeiro e São Paulo, as mais caras entre as brasileiras, caíram 23 posições, para a 119ª colocação.

A cidade que registrou maior salto foi Teerã, capital do Irã, que subiu 27 posições — da 106ª para a 79ª — em relação ao último relatório, publicado em março. Segundo o EIU, a subida é resultado das sanções dos Estados Unidos sobre o país, que afetaram o abastecimento.

Publicado anualmente, o relatório avalia 133 cidades globais e compara o preço de uma cesta de 138 itens de uso diário em cada uma dessas localidades, como transporte, alimentação, roupas e lazer.

O impacto da pandemia sobre o dólar foi a principal causa da variação do custo de vida em muitos países. "A pandemia fez com que o dólar perdesse valor, enquanto as moedas do oeste europeu e do norte da Ásia ganharam força, o que teve consequências no preço de bens e serviços", destacou Upasana Dutt, uma das responsáveis pelo estudo.

"Paris e Zurique se uniram a Hong Kong no topo da lista devido à alta do euro e do franco suíço", indica o relatório, segundo o qual os preços em Singapura caíram principalmente devido à redução da demanda causada pelo êxodo de trabalhadores estrangeiros.

Em Osaka, terceira maior cidade do Japão, "os preços de bens de consumo ficaram estagnados e o governo japonês subsidiou custos como o do transporte público", assinala o texto.

Já nos EUA, Nova York perdeu um lugar e se situa na sétima posição, assim como Genebra, e Los Angeles caiu para o nono lugar, juntamente com Copenhague.

Em todo o mundo, a queda do custo de vida seguiu a dos preços do vestuário, uma vez que a população confinada parou de comprar peças novas. O auge do trabalho remoto, no entanto, levou ao aumento da compra de eletrônicos, cujos preços foram os que mais subiram, segundo o estudo.

As dez cidades mais caras do mundo, segundo a The Economist:

  • 1. Paris, França
  • 1. Zurique, Suíça
  • 1. Hong Kong, China
  • 4. Cidade de Singapura, Singapura
  • 5. Osaka, Japão
  • 5. Tel Aviv, Israel
  • 7. Nova York, EUA
  • 7. Genebra, Suíça
  • 9. Los Angeles, EUA
  • 9. Copenhague, Dinamarca
(Com AFP)