PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

iFood quer aumentar presença de mulheres e negros nos cargos mais altos

Fábio Vieira/FotoRua
Imagem: Fábio Vieira/FotoRua

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

20/05/2021 10h00

O iFood anunciou hoje o compromisso de ocupar metade dos cargos de liderança na empresa com mulheres e 30% com profissionais negros até 2023.

Veja abaixo quais são os compromissos:

  • Mulheres em 50% dos cargos de liderança (são 37% hoje)
  • Mulheres em 35% dos postos de alto comando (são 26% hoje)
  • Negros em 30% dos cargos de liderança (eram 19% hoje)
  • Negros em 40% do total de vagas da empresa (são 29% hoje)

A empresa explica que os cargos de liderança são coordenador, gerente, head, diretor e vice-presidente. Dentro desse grupo, os cargos de head, diretor e vice-presidente são considerados de alto comando.

O iFood diz também que realizou uma pesquisa com os parceiros da empresa, como restaurantes e mercados, para levantar dados como identidade de gênero, orientação sexual, raça, se são pessoas com deficiência, estado civil, se têm filhos ou crianças por quem são responsáveis, se são mães ou pais solteiros, entre outros dados.

A ideia é que a proposta de aumentar a presença de mulheres e negros se estenda aos parceiros.

"Inclusão significa escutar, respeitar e empoderar, sem distinção. Assim, estamos trabalhando para estimular o futuro do nosso país, contribuindo para corrigir dívidas históricas, levando oportunidades de formação a quem mais precisa, para tornar o mundo mais justo e próspero para todas as pessoas", afirmou Gustavo Vitti, vice-presidente de pessoas e soluções sustentáveis do iFood.

Ele diz que a empresa tem promovido uma série de campanhas de conscientização com conteúdos educativos sobre diversidade e inclusão com intuito de estimular o tema entre os colaboradores.

Em fevereiro, o iFood assumiu o compromisso de impactar mais de 10 milhões de pessoas com oportunidades de educação, capacitação e formação, priorizando entregadores, parceiros, pessoas negras e quem vive na periferia.