PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Quem é o empresário do PR que promete bancar quem for a ato pró-Bolsonaro

Mário Gazin oferece ônibus de graça para quem for protestar a favor de Bolsonaro - Reprodução/Twitter
Mário Gazin oferece ônibus de graça para quem for protestar a favor de Bolsonaro Imagem: Reprodução/Twitter

Henrique Santiago

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/08/2021 15h03

Mário Gazin, 71, empresário que ofereceu pagar o transporte de manifestantes que forem a atos a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), previstos para 7 de setembro, é fundador de uma rede de varejo do Paraná, a Gazin, com mais de 300 lojas em dez estados, como Mato Grosso do Sul, Rondônia e Acre, focada em cidades do interior.

O grupo tem cerca de 9.500 funcionários e faturou R$ 5,991 bilhões em 2020. Depois de suas declarações pró-Bolsonaro, Gazin recebeu apoio de bolsonaristas nas redes sociais, mas também foi alvo de críticas, com pedidos de boicote às suas marcas.

Além da rede de lojas, o grupo, com sede em Douradina (PR), tem sete indústrias de colchões e estofados, uma de molas e 23 centros de distribuição de mercadorias, entre outras empresas.

Apoiador de Bolsonaro desde as eleições

Bolsonarista, Gazin gravou vídeo ao lado de Luciano Hang, dono de outra rede do varejo, a Havan, para manifestar apoio a Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018.

Primeiro turno, Bolsonaro. Para não ter escolha, para não ter que gastar mais dinheiro, para não ficar todo mundo gastando com o segundo turno. Então é no primeiro. Quem está indeciso é lá. É lá que tem que ser, porque acabou.
Mário Gazin, empresário, em 2018

Bolsonaro venceu apenas no segundo turno, derrotando Fernando Haddad (PT).

Gazin continuou manifestando suas opiniões políticas após Bolsonaro chegar à Presidência. Em 2019, defendeu em vídeo a reforma da Previdência, vestindo uma camiseta a favor da pauta.

Para ele, a reforma da Previdência, aprovada no final daquele ano, era necessária para manter empregos no Brasil. Fortemente afetado pela crise da pandemia, o Brasil tem registrado recordes de desemprego. No trimestre encerrado em maio, o país tinha 14,8 milhões de desempregados, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Gazin também se posiciona favoravelmente à venda de recursos e estatais para a iniciativa privada e defende que o governo invista exclusivamente em saúde, segurança e educação.

O resto o Brasil tem que vender tudo, para acabar com esse monte de funcionário público que nós temos.
Mário Gazin, empresário

Cantor Daniel é garoto-propaganda

Paulista de Oscar Bressane, Gazin abriu sua primeira loja em 1966, ao lado do pai, em Douradina (PR), cidade com menos de 9.000 (dado de 2018).

No início, a loja vendia de tudo, de alimentos a granel a produtos para a casa. Na década de 1970, as lojas foram segmentadas, com unidades exclusivamente para a venda de móveis, projetados pelo irmão de Mário, Rubens.

Em 1998, o grupo entrou no ramo de fabricação de colchões. Hoje a marca Gazin Colchões tem como garoto-propaganda o cantor Daniel.

Cantor Daniel em propaganda da Gazin Colchões - Divulgação - Divulgação
Cantor Daniel em propaganda da Gazin Colchões
Imagem: Divulgação

Terra de cemitério

Em 2015, circularam em áudios e vídeos no WhatsApp e Facebook acusações de que a Gazin Colchões vendia produtos com terra de cemitério, consequência de um "pacto com o diabo".

O empresário chegou a gravar um vídeo para esclarecer que o material, na verdade, era o dessecante RDR, que tem a função de absorver a umidade e evitar o mofo em estados com alta umidade, como Rondônia, Acre e Mato Grosso.

Distribuição de cuecas e calcinhas

Gazin diz que chama seus empregados de "meu filho" e "minha filha" e que tem o hábito de distribuir cuecas e calcinhas com as metas anuais da empresa.

De acordo com ele, essa tradição começou quando a empresa tentava bater a marca de R$ 10 milhões em vendas por mês e o empresário começou a anotar o número dez em crachás, carros e até mesmo na sua própria cueca, para lembrá-lo do objetivo.

Funcionários homens e mulheres quiseram imitar o gesto, segundo ele. "A meta nasceu na cueca, na calcinha [...] Tudo tem meta. Onde você pensar tem meta", disse.

Gazin também dá palestras e, antes da pandemia, criou um podcast, com conteúdo motivacional sobre empreendedorismo.

O empresário deixou a presidência da rede de lojas em 2013, passando o bastão para Osmar Della Valentina, e assumiu a presidência da holding.

PUBLICIDADE