PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Mourão se diz contra privatização da Petrobras: 'Não é a solução'

Carla Araújo e Fabíola Cidral

Do UOL, em Brasília

17/11/2021 16h28

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) declarou hoje, em entrevista exclusiva ao UOL, ser contrário à privatização da Petrobras, ideia que foi levantada em entrevistas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas que atualmente não encontra respaldo e viabilidade política dentro do Congresso.

"Hoje eu sou contra a privatização. Não a vejo como solução para o problema [do preço dos combustíveis]. O governo detém hoje 37% da Petrobras, na realidade. Os outros 63% estão distribuídos entre os mais diversos acionistas. A Petrobras é uma empresa com ação em Bolsa", declarou ele, em entrevista concedida às jornalistas Carla Araújo e Fabíola Cidral, do UOL, em Brasília.

Para Mourão, a privatização da estatal não baixaria o preço do combustível porque o "problema" não está na extração do petróleo, e sim no refino.

"Um quinto do combustível vendido aqui no Brasil é importado. Também se deixou um pouco de lado a questão do etanol, que é um combustível nosso. E eu já vivi todas essas crises. Na década de 70, o posto de combustível fechava no final de semana", relembrou ele.

Mourão disse ainda entender "perfeitamente qual é o problema do [preço do] combustível".

"O combustível aumentou em preços internacionais 60% nesse ano. Aqui no Brasil ele aumentou 50%. Então nós nem mantivemos a paridade internacional. Ao mesmo tempo, a nossa moeda se desvalorizou. Então foi uma tempestade perfeita."

O vice-presidente afirmou considerar que a necessidade de importação de ao menos 20% de todo o combustível que é distribuído no país acaba por criar um gargalo financeiro, sobretudo em um período de desvalorização da moeda nacional.

"O que acontece no nosso país é que somos autossuficientes na produção de petróleo, mas não somos autossuficientes na produção de combustível —20% do combustível que utilizamos no Brasil é importado. Então não adianta importar por dez, chegar aqui e vender por cinco. Quem é que vai fazer isso? Ele vai ter que vender, no mínimo, pelo preço que ele está importando."

Mourão alegou que, em "curto de espaço de tempo", há uma tendência favorável à solução desse problema, pois "agora é que está sendo quebrado o monopólio do refino". Segundo ele, o preço na bomba deve baixar à medida que novas empresas entrarem no ramo, assumindo as refinarias e ampliando a concorrência.

"Agora que está sendo quebrado o monopólio do refino. Então eu acredito que em curto espaço de tempo, com novas refinarias sendo construídas e com novas empresas entrando nisso aí, teremos uma queda significativa do preço do combustível aqui no Brasil."

Assista à íntegra da entrevista:

PUBLICIDADE