PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Licença-maternidade 'criminosa' e Hitler de esquerda: as falas de Sachsida

"Sou contra licença-maternidade de 6 meses. É criminoso contra a mulher", disse o novo ministro em 2016 - Adriano Machado/Reuters
'Sou contra licença-maternidade de 6 meses. É criminoso contra a mulher', disse o novo ministro em 2016 Imagem: Adriano Machado/Reuters

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

12/05/2022 17h37Atualizada em 16/05/2022 15h41

Recém-nomeado ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida já criticou a licença-maternidade de seis meses —que definiu como um "crime" contra as mulheres—, disse que a mulher é mais eficiente fora do mercado de trabalho, defendeu a flexibilização das leis trabalhistas e o fim do imposto sindical e sugeriu que o Partido Nazista alemão, de Adolf Hitler, era de esquerda.

As declarações aparecem em vídeos publicados em 2016 e 2017 em seu canal no YouTube. Em uma das gravações, Sachsida ainda nega que a desigualdade salarial entre homens e mulheres que desempenham as mesmas funções seja "discriminação", dizendo se tratar apenas de um "comportamento racional do empresário".

Procurado pelo UOL, o Ministério de Minas e Energia disse que não vai "comentar assuntos fora do âmbito da pasta".

Veja frases ditas pelo novo ministro de Minas e Energia no passado:

Discriminação no trabalho

'Na hora de promover, promoveu o homem, é discriminação. Não, não necessariamente. Existem outras explicações condizentes com a ideia de maximização de lucro do empresário que não são discriminação. É simplesmente um comportamento racional do empresário.

O custo de oportunidade da mulher é mais alto, porque ela é mais eficiente fora do mercado. Se esse casal tiver um filho, provavelmente é a mulher que vai cuidar do filho. Aí você vira para mim: 'Adolfo, mas o homem fica bêbado mais que a mulher'. Fica. Então menos para o homem nesse ponto. Mas também, quem vai mais ao médico é a mulher, então ela vai faltar mais para ir ao médico. O empresário está fazendo essas contas.
Adolfo Sachsida, em vídeo de 2016

Licença-maternidade

Eu, por exemplo, sou contra licença-maternidade de seis meses. Isso, para mim, é criminoso contra a mulher. Você dar uma licença-maternidade de seis meses para a mulher é mais ou menos como você chegar para o empresário e falar assim: 'Não promovam essa mulher. Porque, se ela engravidar, ela vai ficar seis meses fora da empresa'. Você consegue imaginar uma empresa ficar seis meses sem seu gerente?

Quando fui contra essa lei [licença-maternidade de seis meses], as pessoas me xingaram. Não é nada disso, é que eu me preocupo com as mulheres. Toda vez que você cria leis que favorecem a mulher, vai aumentar a penalidade salarial dela. Menos patrões vão promover as mulheres. Não é porque eu quero, basta você olhar.
Adolfo Sachsida, em vídeo de 2016

CLT 'fascista

Se você acha que a CLT [Consolidação das Leis do Trabalho] é uma coisa liberal, democrática, cuidado. Porque ela foi inspirada num modelo fascista, que é o modelo de Benito Mussolini [ditador italiano]. E ela foi implementada aqui no Brasil por Getúlio Vargas. Talvez alguns não gostem, mas a verdade é que Getúlio Vargas também foi um ditador. De repente, a CLT funcionava naqueles moldes. Hoje nós estamos em uma democracia, estamos em 2017. Creio que aquele modelo não funciona mais.

A CLT, de fato, foi inspirada na chamada Carta del Lavoro ("Carta do Trabalho") de Mussolini, de 1927. Mas, diferentemente da versão brasileira, a italiana não era uma lei, mas sim um documento público para coordenar a legislação trabalhista no país. Havia diferença também no tamanho: enquanto a CLT tinha mais de 900 artigos, a Carta del Lavoro nasceu com apenas 30, tendo sido reduzida a 11 quando virou lei, na década de 1940.

[Defendo] Acabar com o imposto sindical. Eu gostaria que alguém me explicasse por que eu sou obrigado a pagar um dia do meu trabalho para um sindicato que, no fim do dia, é filiado à CUT, que vai fazer propaganda para o PT, que eu ainda sou contra. Não gosto, é meu direito. Não quero que meu dinheiro seja usado para bancar pauta de partido político.
Adolfo Sachsida, em vídeo de 2017

Hitler 'de esquerda'

Será que Hitler dava mais valor ao Estado ou ao indivíduo? Será que Hitler dava mais valor à função social da propriedade ou à função privada? (...) Antes de responder, vou dar uma dica para você: o que é PT? PT é a sigla do Partido dos Trabalhadores. Da mesma maneira, o Partido Nazista era uma sigla. Você sabe qual era a sigla do Partido Nazista? Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Você realmente acredita que um partido socialista dos trabalhadores é um partido de direita?

A discussão sobre se o nazismo era de esquerda ou direita se intensificou em 2018, em meio às últimas eleições presidenciais no Brasil. Historiadores entrevistados pela BBC Brasil no ano anterior já haviam esclarecido que o movimento, na verdade, se apresentava como uma "terceira via", não podendo ser definido a partir dos conceitos usados hoje.

Mas como as principais características do nazismo se assemelham a ideais reproduzidos atualmente por movimentos de extrema direita, há um consenso acadêmico de que Hitler, portanto, também fosse de extrema direita. Especialistas comparam a perseguição contra judeus e homossexuais à que partidos de extrema direita em todo o mundo fazem hoje contra imigrantes, muçulmanos e a comunidade LGBTQIA+, por exemplo.