PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Por que tarifa de luz disparou e vai fazer as contas encarecerem em junho?

Apague a luz: tarifa de energia elétrica vai disparar em junho - Getty Images
Apague a luz: tarifa de energia elétrica vai disparar em junho Imagem: Getty Images

Valéria Sinésio

Colaboração para o UOL

01/06/2022 04h00

O aumento na conta de energia vai pesar no bolso do brasileiro, e a única alternativa será buscar meios para economizar no que for possível. O reajuste chega após dois anos de medidas para segurar o valor e varia de 7% a 24% para clientes residenciais, segundo aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A conta pode ficar ainda mais cara dependendo dos impostos estaduais e outros tributos variáveis. No ano passado, o reajuste médio ficou em 8,25%.

A justificativa das distribuidoras é que os preços ficaram represados durante a pandemia da covid-19 e a seca. O aumento chega para custear o déficit de R$ 30 bilhões no fundo do setor elétrico, mas vem em um momento delicado para o brasileiro, que tenta equilibrar o orçamento com outros reajustes simultâneos, como o do combustível e da cesta básica.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Marcos Madureira, o reajuste é referente a perdas de anos anteriores.

A justificativa foi dada na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, depois que o valor da tarifa foi questionado por um grupo de parlamentares —assinaram o documento o senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) e os deputados federais Felipe Rigoni (União-ES), Renan Ferreirinha (PSD-RJ) e Tabata Amaral (PSD-SP).

A Câmara dos Deputados tenta um acordo com a Aneel para barrar o novo preço e pode votar um projeto de decreto legislativo que visa suspender os aumentos em estados como Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia, além de outros reajustes feitos pela Aneel.

O maior aumento foi no Ceará (24,85%).

Por que a conta de luz aumenta tanto?

Ao pegar a conta de energia do mês, o consumidor mais atento vai observar vários códigos usados para detalhar os custos da luz. O valor cobrado vai além do consumo propriamente dito.

Estão inclusos no valor final:

  • os custos de distribuição, transmissão e geração, que variam de estado para estado;
  • os tributos, que incluem PIS e Cofins (federais) e ICMS (estadual);
  • encargos setoriais, destinados a cobrir custos do setor elétrico;
  • a bandeira tarifária (se for vermelha, a conta fica mais cara);
  • uma parte destinada às prefeituras para as taxas de iluminação pública.

Cada bandeira, uma cobrança

Uma das vilãs da conta de energia é a bandeira tarifária. Em abril deste ano, ela foi mudada de vermelha para verde, o que ajudou a baixar o valor final em cerca de 20%. Com os reservatórios mais cheios, o risco de falta de energia foi afastado pelo Ministério de Minas e Energia.

As bandeiras tarifárias são definidas mês a mês. A bandeira de escassez hídrica vigente em 2021 teve um impacto de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. Ficam isentos dessa bandeira apenas os consumidores cujos imóveis estão cadastrados como baixa renda e têm desconto nas contas.

Entenda as bandeiras:

  • Verde: as condições são favoráveis para a geração de energia, não há acréscimo na conta.
  • Amarela: as condições de geração são menos favoráveis, e o consumidor paga R$ 0,01874 a cada kWh.
  • Vermelha (patamar 1): a geração de energia é mais custosa, e há aumento de R$ 0,03971 por kWh consumido.
  • Vermelha (patamar 2): o aumento vai para R$ 0,09492 por kWh consumido.
  • Escassez hídrica: é a situação mais cara e crítica, o impacto na conta é de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos.