IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

EUA: desigualdade entre brancos e negros tem maior nível desde a 2ª Guerra

Pandemia acentuou a diferença de riqueza concentrada nas maõs de brancos e negros - Getty Images
Pandemia acentuou a diferença de riqueza concentrada nas maõs de brancos e negros Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

07/06/2022 10h28

A desigualdade de riqueza entre negros e brancos nos Estados Unidos atingiu o maior nível durante a pandemia da covid-19, segundo informações da agência Bloomberg citando estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Princeton, nos EUA, e de Bonn, na Alemanha.

De acordo com a pesquisa, em 2019, quando a covid-19 começou a se espalhar pelo mundo, os americanos negros em 2019 tinham um sexto da riqueza dos americanos brancos no cálculo feito com base no número de habitantes.

Embora o resultado ainda seja melhor que o registrado na década de 1860, às vésperas da Guerra Civil nos EUA, se esse ritmo continuar os economistas apontam que o nível de riqueza entre brancos e negros pode chegar a uma diferença de 8,4 vezes mais em 2200. Em 2019, a riqueza dos brancos era 5,6 maior.

Segundo os especialistas, essa diferença pode ser atribuída, em grande parte, aos tipos de ativos que compõem as participações de cada grupo.

Enquanto as famílias negras detêm quase dois terços de sua riqueza em habitação e muito pouco em ações, os brancos possuem ações de empresas de capital aberto em números muito maiores. Nos últimos 70 anos, o estudo mostra que as ações se valorizaram cinco vezes mais do que os preços dos imóveis.

Ainda de acordo com os especialistas, a diferença continuaria grande mesmo que os negros recebessem reparações pelos quase 250 anos de escravidão nos EUA.

"Mesmo em condições iguais de acumulação de riqueza após a escravidão, ou seja, taxas de poupança e ganhos de capital idênticos entre os dois grupos, nosso modelo de convergência apresenta hoje uma diferença racial de riqueza de 3 para 1", escreveram os especialistas no artigo.

Os autores afirmam, por fim, que as políticas que casam reparações com aquelas que visam mudanças na composição da carteira podem um dia levar a uma convergência na riqueza de brancos e negros, mas isso pode levar centenas de anos.