IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Preço de imóveis sobe mais que inflação em 2022 e tem maior alta em 8 anos

Imóveis à venda subiram acima da inflação em 2022, informa o FipeZap+ - Eduardo Knapp/Folhapress
Imóveis à venda subiram acima da inflação em 2022, informa o FipeZap+ Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

11/01/2023 00h01Atualizada em 16/01/2023 15h27

Os preços de venda dos imóveis residenciais subiram 6,16% em 2022, segundo o índice FipeZap+. É a maior alta desde 2014, quando chegou a 6,7%, e supera a inflação acumulada no ano passado: 5,79%.

O que aconteceu no mercado imobiliário

O levantamento feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) considera os preços de venda de imóveis residenciais (só apartamentos) em 50 cidades brasileiras com base em anúncios na internet.

  • Todas as 16 capitais contempladas pelo FipeZap+ registraram aumento nominal (sem considerar inflação) no preço de venda de imóveis em 2022.
  • São Paulo (+5,06%), Porto Alegre (RS) (+2,42%), Rio de Janeiro (+2,2%) e Brasília (DF) (+1,31%) cresceram abaixo da inflação calculada pelo IBGE.
  • No geral, 49 das 50 cidades tiveram alta nominal entre janeiro e dezembro, com exceção de Canoas (RS).
  • O preço médio do metro quadrado das residências no Brasil é de R$ 8.321.

Maiores altas entre as capitais

  1. Vitória (ES): 23,23%
  2. Goiânia (GO): 20,91%
  3. Campo Grande (MS): 14,03%
  4. Curitiba (PR): 13,64%
  5. Maceió (AL): 13,22%
  6. Recife (PE) 11,35%
  7. Florianópolis (SC): 11,33%
  8. João Pessoa (PB): 10,26%
  9. Fortaleza (CE): +8,29%
  10. Manaus (AM): 7,32%

Maiores altas fora das capitais

  1. Balneário Camboriú (SC): 21,73%
  2. Vila Velha (ES): 21,46%
  3. São José dos Campos (SP): 19,42%
  4. Blumenau (SC): 17,36%
  5. Itapema (SC): 16,55%
  6. São José (SC): 16,01%
  7. Itajaí (SC): 15,76%
  8. Praia Grande (SP): 14,21%
  9. Joinville (SC): 10,53%
  10. São Caetano (SP): 10,3%

Cidades com metro quadrado de imóvel mais caro (em R$)

  1. Balneário Camboriú (SC): 11.447
  2. Vitória (ES): 10.481
  3. Itapema (SC): 10.303
  4. São Paulo: 10.196
  5. Rio de Janeiro: 9.860
  6. Florianópolis (SC): 9.569
  7. Itajaí (SC): R$ 9.380
  8. Brasília (DF): R$ 8.726
  9. Curitiba (PR): R$ 8.522
  10. Barueri (SP): R$ 8.354

Os preços aumentaram bastante. Podemos esperar um aumento menor em 2023. O setor está desacelerando para venda e isso deve ser sentido no ano
Pedro Tenório, economista do DataZap+