Conteúdo publicado há 12 meses

Inadimplência no Brasil cai pela primeira vez em 2023, mostra Serasa

A inadimplência no Brasil registrou queda pela primeira vez em 2023, anunciou a empresa Serasa, especialista em análise de crédito.

O que diz a Serasa

Houve redução de 450 mil negativados entre maio e junho. A última queda havia sido registrada em dezembro do ano passado.

Agora, há 71,45 milhões de negativados no país. A inadimplência atinge 43,78% da população adulta do país, completa o Serasa.

A dívida média por pessoa do último mês foi de R$ 4.846,15. O valor total das dívidas em junho ficou em R$ 346,3 bilhões.

Desenrola entre em vigor; veja como renegociar

Com a primeira fase do Desenrola Brasil aberta, os brasileiros endividados devem procurar diretamente os bancos para renegociar as dívidas. Veja a lista completa dos bancos participantes.

Brasileiros com renda entre 2 salários mínimo e até R$ 20 mil podem renegociar suas dívidas diretamente com os bancos. O programa atende dívidas bancárias contraídas de 2019 até 31 de dezembro de 2022 e que continuam ativas. Os devedores terão prazo mínimo de 12 meses para quitar os valores. (veja todas as regras aqui).

Bancos participantes devem limpar o nome de quem tem dívidas de até R$ 100. Dívidas não serão perdoadas, mas devedores serão denegativados. Se o cidadão não tiver outras débitos inscritos no cadastro negativo (Serasa e SPC, por exemplo), ele ficará com o nome limpo. Os beneficiados serão excluídos dos cadastros de restrição de crédito até 28 de julho. Ideia é permitir que pessoas com dívidas pequenas voltem a ter acesso a crédito.

Adesão ao programa por bancos e devedores é voluntária. Nesta etapa, não entram dívidas não bancárias, como por exemplo de conta de água ou luz e débitos com lojas. Cabe a cada instituição financeira que aderir ao programa definir as condições para a renegociação.

Deixe seu comentário

Só para assinantes