Conteúdo publicado há 9 meses

Lotes de café são recolhidos por fraude e impurezas; veja marcas

O Ministério da Agricultura e Pecuária determinou o recolhimento de lotes de café torrado e moído por constatação de impurezas acima dos limites.

O que aconteceu:

Os cafés são das marcas Jardim, Lenhador Extra Forte, Lenhador Tradicional, Balaio, Bico de Ouro e Bico de Ouro 100% Puro Robusta. Foi constatada a presença de matérias estranhas e impurezas acima dos limites permitidos pela legislação vigente, informou a pasta.

Os grãos de café foram substituídos por matéria-prima contendo excesso de cascas e paus de café. Segundo o ministério, a finalidade seria "aumentar o volume e enganar o consumidor".

"Esses resíduos do beneficiamento do grão de café foram torrados como se fossem grãos de café legítimos", explicou o coordenador de Fiscalização da Qualidade Vegetal, Tiago Dokonal.

Os lotes afetados são:

  • 046/23/3D da Jardim;
  • 59 da Lenhador Extra Forte;
  • 59 da Lenhador Tradicional;
  • 58 da Balaio;
  • 02 e 05 da Bico de Ouro; e
  • 04 da Bico de Ouro 100% Puro Robusta.

Procurada pelo UOL, a Café Balaio disse que recebeu a notificação do Ministério da Agricultura com "surpresa" e mandou recolher os produtos citados pela pasta. Segundo a empresa, o episódio se trata de uma "falha pontual".

"A Café Balaio recolheu todos os lotes desses produtos da rede varejista e iniciou amplo processo de atualização e ajustes no sistema de produção para evitar que a intercorrência se repita, uma vez que contraria totalmente sua política de qualidade", diz a empresa. Veja a íntegra da nota ao fim da reportagem.

O UOL também procurou as demais empresas citadas, e deixa ao espaço aberto caso queiram se manifestar. Quando houver retorno, esta nota será atualizada.

Continua após a publicidade

Segundo o ministério, as fiscalizações de café torrado e moído brasileiro começaram este ano, com a entrada em vigor da Portaria nº 570. O processo é feito pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal.

Em julho, uma força-tarefa composta por 16 auditores fiscais federais agropecuários e agentes do Mapa foi mobilizada nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Goiás e Distrito Federal para combater a fraude em cafés.

Durante a operação, uma fábrica de café torrado e moído em Minas Gerais foi interditada. Segundo o ministério, foram apreendidos 20.312 kg de café torrado e moído, além de 16.090 kg de matéria-prima irregular, composta por café com cascas e paus.

Nessa ação mais de 26 marcas foram identificadas com indícios de irregularidades. Parte das marcas estão em fase de contestação das análises, informou a pasta.

Nota da Café Balaio

A Indústria e Comércio de Café Balaio Ltda, que processa as marcas Café Balaio, Café Lenhador Tradicional e Café Lenhador Extra Forte, esclarece que os sistemas para assegurar a qualidade de seus produtos têm sido permanentemente ajustados às diretrizes da Portaria n° 570 do Ministério da Agricultura, que estabeleceu este ano os limites de impureza em cafés torrados e moídos. A empresa atua para colocar no mercado cafés com índices de impureza inferiores aos permitidos pela legislação vigente.

Continua após a publicidade

Por conta desses cuidados, foi com surpresa que ela recebeu as notificações do Ministério da Agricultura sobre irregularidades nos lotes: 58 do Café Balaio e 59 do Café Lenhador Tradicional e Lenhador Extra Forte.

De imediato, a Café Balaio recolheu todos os lotes desses produtos da rede varejista e iniciou amplo processo de atualização e ajustes no sistema de produção para evitar que a intercorrência se repita, uma vez que contraria totalmente sua política de qualidade.

Por outro lado, a empresa contesta a afirmativa de que "os grãos de café foram substituídos por matéria-prima contendo excesso de cascas e paus de café." Segundo o ministério, a finalidade seria "aumentar o volume e enganar o consumidor".

As impurezas detectadas não são decorrentes de ações deliberadas sob qualquer objetivo. A Café Balaio classifica o ocorrido como uma falha pontual nos procedimentos que antecederam a torragem e moagem dos grãos de apenas dois lotes. Esses processos estão agora sob atenção redobrada e com
novas tecnologias.

A Indústria e Comércio de Café Balaio Ltda tranquiliza clientes e consumidores sobre a qualidade de seus produtos e reafirma que segue priorizando a excelência, fator que gerou a credibilidade necessária para mantê-la há 12 anos no mercado e garantir sua presença em pequenos, médios e grandes varejistas.

Errata:

o conteúdo foi alterado

  • Diferentemente do publicado anteriormente, o café da marca Fazenda Mineira não está entre os irregulares pelo Ministério da Agricultura. A informação inicial tinha sido divulgada pelo próprio ministério, mas corrigida após informação da empresa. O texto foi corrigido e alterado.

Deixe seu comentário

Só para assinantes