Americanas refazem contas, e lucro de R$ 500 mi vira prejuízo de R$ 6,3 bi

As Americanas divulgaram nesta quinta-feira (16) seu balanço financeiro do ano de 2022, quase um ano após a divulgação da fraude contábil. A companhia registrou um prejuízo de R$ 12,9 bilhões em 2022, além de uma dívida de R$ 26 bilhões, segundo comunicado enviado ao mercado na manhã de hoje. Também reapresentou os números de 2021 - o lucro de cerca de R$ 500 milhões que haviam sido divulgados no ano foram ajustados para um prejuízo de R$ 6,3 bilhões.

Os números do balanço

A companhia deveria ter divulgado o balanço de 2022 em março deste ano, mas a apresentação dos dados foi adiada mais de uma vez. Os números que saíram hoje também mostram a revisão do balanço de 2021.

O prejuízo ajustado foi de R$ 6,2 bilhões em 2021. A empresa havia divulgado um lucro líquido de R$ 544 milhões. A empresa fez ajustes no seu Ebitda (que é o lucro antes de juros e impostos) e ainda incluiu despesas com juros de suas dívidas.

Já em 2022, as Americanas tiveram um prejuízo de R$ 12,9 bilhões. O Ebitda negativo (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 6,2 bilhões.

A fraude foi de R$ 25,2 bilhões. Esse valor inclui R$ 20,4 bilhões de verbas de propaganda cooperada, que eram receitas fictícias lançadas como forma de diminuir o custo de mercadorias vendidas e de melhorar artificialmente o resultado operacional. Além disso, a empresa contratava certas operações financeiras, chamadas de risco sacado, para melhorar o seu caixa. Tanto as receitas fictícias de VPC quanto as dívidas de risco sacado eram lançadas nas contas de fornecedores, e acabavam se neutralizando, escondendo essas operações, entre outros.

Ela culpa a antiga diretoria pela fraude. Porém alguns membros do antigo conselho continuam na empresa. Carlos Alberto Sicupira, Eduardo Saggioro Garcia e Paulo Alberto Lemann ainda se mantêm como representantes dos acionistas de referência na diretoria das Americanas, segundo o site da varejista.

As Americanas têm mais de 1.600 lojas no Brasil. São 14 centros de distribuição.

Como está a dívida das Americanas

A companhia entrou em recuperação judicial em janeiro deste ano. No pedido, a Americanas alegava R$ 43 bilhões em dívidas e mais de 16 mil credores.

Continua após a publicidade

A dívida bruta da empresa é de R$ 37,3 bilhões em 2022. O número divulgado em 2021 era de R$ 7,8 bilhões. A empresa fez reajustes e a reclassificação das dívidas com fornecedores, que fizeram o endividamento bruto da empresa disparar.

A dívida líquida da empresa é de R$ 26,29 bilhões. Esse é o número de 2022. Isso é mais de R$ 12 bilhões do apresentado no ano anterior.

A empresa tem R$ 82,8 milhões em dívidas trabalhistas e de R$ 180,2 milhões com micro ou pequenas empresas. Essas dívidas serão pagas de forma integral. Ela já pagou R$ 114,5 milhões dessas dívidas, e ainda há um saldo de R$ 148,6 milhões. São mais de 16 mil credores.

Ela ainda tem R$ 5,5 bilhões de dívidas com fornecedores e R$ 36,8 bilhões em dívidas financeiras. O total é de R$ 42,5 bilhões. Ela ofereceu algumas opções para pagar essas dívidas. Deve fazer um leilão de suas dívidas, com desconto mínimo de 70% e pagamento em 15 anos. Quem optar pelo maior desconto entra primeiro na fila. Há ainda outras opções de pagamentos para fornecedores.

Planos para 2025

A Americanas diz que tem "centrado esforços na continuidade do negócio". No comunicado de hoje, a companhia divulgou alguns pontos sobre seu plano estratégico de negócios e projeções para 2025. A empresa quer usar lojas para melhorar sua logística. A companhia também diz estar focada na renovação das lojas físicas, na otimização dos custos de ocupação e revisão de processos.

Continua após a publicidade

Fraude prejudicou relação com clientes e fornecedores. A empresa disse, em teleconferência com acionistas hoje, 16, que a divulgação prejudicou principalmente sua operação digital. O número de visitas de clientes e conversões - visitas que se transformam em compras - caíram. Assim como o número de vendedores, que ficaram em dúvidas se a empresa teria condições de repassar seus pagamentos, disse a empresa.

Quer vender a Uni.co, dona da Imaginarium, e a HNT, dona das redes Hortifruti e Natural da Terra. Essas vendas haviam sido paralisadas no início deste mês.
Também vai reestruturar a Ame, seu braço financeiro.

Deve gerar caixa só em 2025. As Americanas esperam um Ebitda de mais de R$ 2,2 bilhões em 2025. Além disso, a companhia aposta na diminuição de sua dívida financeira bruta financeira para algo entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão.

Acreditamos que, com este plano, a Americanas estará pronta para renovar seu papel de relevância no varejo brasileiro. Não será fácil, não será simples, mas será feito.
Leonardo Coelho, CEO da Americanas

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes