Conteúdo publicado há 26 dias

Bilionário chinês desaparecido há um ano renunciou a cargos, diz banco

O bilionário chinês Bao Fan, desaparecido há quase um ano, renunciou aos cargos no banco China Renaissance Holdings.

O que aconteceu

Bao Fan decidiu se afastar dos negócios por "questões de saúde" e para passar mais tempo com a família, diz a instituição financeira. O banco anunciou a decisão em um comunicado nesta sexta-feira (2).

"Não há outro assunto relacionado à sua renúncia que precisa ser levado ao conhecimento dos acionistas da Companhia. O Conselho expressa sua profunda gratidão pelos esforços e dedicação do Sr. Bao à Empresa durante o mandato de seu serviço. Sob a visão e liderança do Sr. Bao, a Empresa cresceu e expandiu, superou muitos desafios e alcançou marcos significativos ao longo do caminho", diz a nota.

O banco não informou onde o empresário está no momento, nem onde passou o último ano. Bao desapareceu em 15 de fevereiro de 2023.

Sumiço

À época do desaparecimento, as ações da empresa despencaram cerca de 30%. "A empresa não conseguiu entrar em contato com o senhor Bao", informou o China Renaissance em um comunicado enviado à Bolsa de Valores de Hong Kong naquela data.

A empresa também afirmou que Bao estava "cooperando com uma investigação realizada por certas autoridades" na China. A afirmação, em outro comunicado ao mercado de ações naquele mês, levou holofotes sobre a repressão da China a empresários proeminentes.

Quem é Bao Fan?

Bao Fan é um dos banqueiros mais importantes do país. Ele fundou o China Renaissance em 2005.

Continua após a publicidade

Ele era também diretor executivo do banco. Ele é uma figura importante na indústria de tecnologia da China e teve um papel crucial no desenvolvimento de várias startups no país.

Fundado em 2005, o grupo supervisionou os IPOs (oferta pública inicial) na China, incluindo a empresa líder do comércio eletrônico JD.com. Bao também atuou na fusão em 2015 entre o grupo Didi (tecnologia e transporte privado) e sua principal concorrente na época, Kuaidi Dache.

Com AFP e Deutsche Welle

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes