Como evitar perder dinheiro com golpes no cartão e celular no Carnaval

Somente no primeiro final de semana de pré-Carnaval, dias 3 e 4 de fevereiro, a Polícia Civil de São Paulo recuperou 83 aparelhos celulares e 146 cartões bancários com pessoas infiltradas entre os foliões. Veja quais cuidados tomar para não levar um prejuízo durante a festa.

Cuidados de segurança durante o carnaval

Não entregue o seu cartão a outras pessoas. Um possível golpe é a troca do cartão, por isso "é muito importante que a própria pessoa insira o cartão na maquininha", alerta Adriano Volpini, diretor do Comitê de Prevenção a Fraudes da Febraban. Um golpista fica de olho quando o comprador digita a senha do cartão, que é trocado. Assim, os golpistas ficam com o cartão e a senha. Vale também tampar o teclado com a mão, enquanto digita a senha. "O golpista nunca age sozinho", alerta.

Personalize o seu cartão. O ideal é não perder o seu cartão de vista. Mas você pode ainda utilizar etiquetas que ajudem a identificar o cartão e facilitem a identificação em caso de tentativa de troca.

Use senhas diferentes em aplicativos. Não use a mesma senha de acesso ao banco em outros aplicativos.

Compra por aproximação à distância é mito. Muitas pessoas acreditam que, se alguém passar com uma maquininha perto do seu cartão de crédito na sua carteira é possível passar uma compra por aproximação (contactless). Mas no Brasil, para fazer esse tipo de transação, é necessário encostar o celular ou o cartão na maquininha e deixar por alguns segundos. De acordo com Volpini, tecnicamente a distância poderia ser maior, mas essa é a configuração escolhida para deixar a transação mais segura no país.

Dê preferência ao pagamento por aproximação. De acordo com a Abecs, em geral, esse tipo de pagamento tem limite de valor de R$ 200, sem digitar a senha. Isso reduz o tempo de exposição do cartão.

Receba avisos de compra por SMS. O cliente pode fazer essa opção no seu aplicativo bancário. Ao receber mensagens do banco emissor sempre que o cartão for utilizado, o consumidor percebe rapidamente qualquer movimentação estranha.

Proteja seus dados do cartão. Use uma tarja para tampar os dados como número e código de segurança do cartão, para dificultar o acesso a esses dados.

Continua após a publicidade

Pagamento em dinheiro também é opção. Saque o valor que pretende usar para pagamentos de bebidas e alimentos na rua, reduzindo a exposição do celular e cartão.

Antes de sair, reduza seus limites. Antes de sair para o Carnaval, o folião pode reduzir os seus limites de transferência, compras e Pix por meio do internet banking e nos aplicativos bancários.

Tenha números de telefones anotados. Se precisar, você pode não se lembrar dos números de telefone sem o celular. Tenha alguns contatos anotados caso fique sem o aparelho, para comunicar o ocorrido.

Veja cuidados ao pagar com maquininha

  • O campo de senha deve mostrar sempre apenas asteriscos.
  • O cliente também não deve aceitar fazer pagamentos se o visor da maquininha estiver danificado.
  • Confira o valor cobrado antes de aproximar o cartão ou smartphone ou colocar a senha.
  • Em caso de dúvida, solicite o comprovante. O consumidor pode pedir o comprovante impresso da transação. Outras formas de verificar se o valor está correto é pelas confirmações do banco, que podem ser feitas por mensagens SMS ou no aplicativo. Isso vale também para as operações feitas via contactless (sem contato).

Cuidados com o smartphone

Nunca deixe senhas salvas no celular. Quando o celular é roubado durante o uso e desbloqueado, criminosos podem procurar por senhas armazenadas em aplicativos e sites. Com isso, tentam ingressar no aplicativo do banco. Verifique se não tem nenhum registro salvo em blocos de notas, e-mails, mensagens de Whatsapp ou em outros locais do celular.

Continua após a publicidade

Ative a verificação em duas etapas para bancos e e-mail. A verificação em duas etapas ou dois fatores é a que exige mais do que uma senha de acesso. O segundo passo pode ser uma mensagem por SMS, um e-mail, biometria ou um token em um aplicativo, o que torna o acesso mais seguro.

Veja as opções de segurança oferecidas pelo seu banco. O Nubank, por exemplo, tem o modo rua, que ativa limites quando estiver fora de redes de wi-fi cadastradas como seguras.

Apague aplicativos de bancos que não serão usados. Uma alternativa é apagar temporariamente os aplicativos de bancos e corretoras de valores do celular, antes de ir para lugares públicos. Se tiver conta em mais de uma instituição, deixe apenas a que realmente for usar.

Caí num golpe, e agora?

Em caso de roubo ou furto do celular, a primeira coisa a se fazer é avisar as instituições bancárias. Quanto mais tempo os bandidos ficam com o celular ou cartão sem que as contas estejam bloqueadas, maior o estrago que podem fazer. Se tiver cadastrado no Celular Seguro, faça seu registro ou avise seu contato de segurança para que faça.

Avise também a operadora de telefonia e faça um boletim de ocorrência. Roubo e furto podem ser registrados online na delegacia online do seu estado ou no site https://delegaciavirtual.sinesp.gov.br/portal/home/novaocorrencia. De acordo com a Abecs, o cartão possui uma garantia exclusiva entre os meios de pagamento: a possibilidade de contestação de um pagamento, no caso de transações não reconhecidas.

Continua após a publicidade

Como funciona e como cadastrar na ferramenta Celular Seguro

Ao ter o celular roubado, uma dor de cabeça é acionar os bancos onde é correntista e operadora de celular. Mas isso pode ser feito de uma vez por meio da plataforma Celular Seguro. A solução foi desenhada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, em parceria com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). "A ferramenta é um canal único para reportar um problema como furto ou perda de celular", explicou Volpini.

Veja como funciona:

  • Baixe o aplicativo "Celular Seguro, disponível para smartphones Android e IOS.
  • Registre o seu telefone
  • Os dados obrigatórios solicitados são: Marca, modelo, operadora e número do telefone.
  • Uma opção é cadastrar uma "pessoa de confiança". Caso precise, ela poderá registrar a ocorrência no seu lugar.
  • Para cadastrar essa pessoa, você precisará dos seguintes dados: nome, CPF, telefone e e-mail.
  • Em caso de roubo, furto ou perda do seu smartphone, o próprio usuário pode registrar a ocorrência online no site https://celularseguro.mj.gov.br/ ou pode avisar o seu contato de confiança para que registre por meio do aplicativo.
  • Após o Celular Seguro ser acionado, o smartphone será travado.
  • O aplicativo não substitui o boletim de ocorrência.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes