IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Brasil tem deficit de R$ 39,5 bilhões no ano até novembro, o dobro de 2014

29/12/2015 10h41Atualizada em 29/12/2015 13h40

BRASÍLIA, 29 Dez (Reuters) - O setor público brasileiro registrou um deficit primário de R$ 19,567 bilhões em novembro, o pior para o mês na série histórica do Banco Central iniciada em dezembro de 2001. No acumulado do ano, o deficit ficou em R$ 39,520 bilhões, o dobro do registrado no mesmo período do ano passado (-R$ 19,642 bilhões).

Quando o governo economiza para pagar os juros da dívida pública, ele faz superavit primário. Quando gasta mais do que arrecada, ocorre o deficit.

O deficit acumulado em 12 meses é o maior rombo para as contas públicas já registrado como proporção do Produto Interno Bruto (PIB), na série desde 2001. Nos 12 meses até novembro o deficit alcançou 0,89% do PIB. Em julho, o deficit em 12 meses também havia atingido esse nível, mas foi revisado para 0,88 % posteriormente.

O resultado ressalta a forte deterioração fiscal, afetada pela arrecadação em queda num ano de recessão, e com medidas de ajuste atenuadas ou emperradas no Legislativo em meio à intensa crise política.

Segundo dados divulgados pelo Banco Central nesta terça-feira (29), o saldo negativo de novembro foi provocado pelo deficit do governo central (- R$ 21,671 bilhões) e de empresas estatais (-R$ 249 milhões), sendo apenas ligeiramente compensado pelo superavit de Estados e municípios (R$ 2,352 bilhões).

Mais cedo neste mês, o Congresso aprovou a reversão da meta fiscal de 2015 de um superavit primário para um deficit do setor público consolidado de R$ 48,9 bilhões, equivalente a 0,85% do PIB.

O rombo pode subir a R$ 117 bilhões, ou 2,03% do PIB, com o pagamento das chamadas pedaladas fiscais e com a frustração das receitas com leilão de hidrelétricas neste ano.

Economia