PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

China vai demitir 5 a 6 milhões de trabalhadores para reduzir excesso de capacidade

Lucas Jackson/Reuters
Imagem: Lucas Jackson/Reuters

01/03/2016 09h50

PEQUIM, 1 Mar (Reuters) - A China pretende demitir de 5 milhões a 6 milhões de trabalhadores de empresas estatais nos próximos dois a três anos como parte dos esforços para reduzir o excesso de capacidade produtiva e reduzir a poluição, afirmaram duas fontes.

O governo chinês, obcecado em manter a estabilidade e assegurar que demissões em massa não levem a revoltas, vai gastar quase 150 bilhões de yuans (US$ 23 bilhões) em indenizações apenas nos setores de carvão e aço nos próximos dois a três anos.

O número total deve subir uma vez que fechamentos ocorrerão em outros setores e mais recursos serão necessários para lidar com a dívida deixada para trás por estatais "zumbis".

O termo se refere a empresas que fecharam algumas de suas operações mas mantiveram trabalhadores em seus quadros uma vez que os governos locais do país estão preocupados sobre o impacto social e econômico de falências e desemprego.

Excesso de capacidade

O fechamento de estatais-zumbis tem sido apontado como uma das prioridades do governo este ano.

O governo planeja demitir 5 milhões de trabalhadores em indústrias que sofrem com excesso de capacidade produtiva, disse uma das fontes que tem relações com a liderança da China.

Uma segunda fonte afirmou que o número de demissões é de 6 milhões.

O Ministério da Indústria não respondeu de imediato a pedidos de comentário sobre o assunto.

O setor estatal empregava cerca de 37 milhões de pessoas em 2013 e representa cerca de 40% da produção industrial da China e quase metade dos empréstimos bancários.

Na segunda-feira, o ministro de recursos humanos e seguridade social, Yin Weimin, afirmou que a China espera demitir 1,8 milhão de trabalhadores nas indústrias de carvão e aço, mas não citou prazos.

(Por Benjamin Kang Lim, Matthew Miller e David Stanway)

Diretora do FMI minimiza temor em relação ao futuro da economia na China

AFP