Bolsas

Câmbio

China responde por 13,8% das exportações globais e bate recorde dos EUA de 1968

Elias Glenn e Pete Sweeney

XANGAI (Reuters) - Exportadores chineses encontraram um ponto positivo na demanda global fraca, capturando fatia de mercado de seus competidores --boas notícias para a China, mas uma expansão que está agravando as tensões comerciais.

A participação da China nas exportações globais subiu para 13,8% no ano passado contra 12,3% em 2014, mostraram dados sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Emprego. Trata-se da maior fatia detida por qualquer país desde os Estados Unidos em 1968.

O sucesso vai de encontro a previsões de que aumentos de custos do trabalho chinês e a alta de mais de 20% do yuan frente ao dólar na década passada levariam a China a perder fatia de mercado para rivais mais baratos.

Em vez disso, a infraestrutura de manufatura construída durante a ascensão industrial nas décadas recentes está mantendo ativas as exportações e servindo de base para que empresas produzam produtos de maior valor.

"A China não pode ser substituída", disse Frederik Guitman, ex-gestor para a China de uma fabricante de produtos de prata dinamarquesa, acrescentando que prazos confiáveis são mais importantes que preço. "Se eles dizem 45 dia, serão 45 dias".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos