Superintendência do Cade diz que Correios promovem práticas anticompetitivas

Alberto Alerigi Jr.

  • Rivaldo Gomes/Folha Imagem

SÃO PAULO, 24 Abr (Reuters) - Os Correios praticam condutas anticompetitivas ao tentar ampliar para outros tipos de produtos o monopólio que possuem sobre a entrega de correspondência, afirmou a Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), nesta segunda-feira (24).

"Embora não questione o direito de monopólio legal da ECT, a Superintendência Geral do Cade considerou que determinadas condutas específicas por parte da empresa configuram condutas anticompetitivas vedadas pela Lei de Defesa da Concorrência", afirmou o Cade em comunicado à imprensa.

Procurados, representantes dos Correios não puderam comentar o assunto de imediato.

A superintendência citou como indícios de condutas fora da lei de concorrência sucessivos processos judiciais abertos pelos Correios, mais de 200 foram analisados pela superintendência, sobre a extensão do monopólio estatal em que a empresa perdeu a maioria das ações relativas a produtos como boletos de tributos e faturas de água e energia.

Segundo o Cade, a prática de "litigância abusiva" não seria tão custosa para os Correios por causa de privilégios processuais e corpo fixo de advogados, mas gera consequências danosas para a concorrência como redução da competição, preços mais elevados, menor qualidade de serviços e variedade para os consumidores.

Além disso, na avaliação da superintendência dos Cade, há indícios de que os Correios também estariam praticando restrição ilícita à concorrência ao "privar as concorrentes do direito de prestar um serviço que ela mesma não realiza, além de também privar as pessoas e empresas consumidoras de obter o serviço no mercado".

A prática estaria relacionada ao envio de talões de cheque, cartões magnéticos e entregas de motofrete, produtos em que os Correios tem conseguido vitórias judiciais, embora a empresa não preste o serviço de entrega da maneira como os clientes precisam, como rastreamento e controle de entrega, afirmou o Cade.

Infraestrutura de agências

A superintendência afirmou que há sinais de que os Correios também impedem ou dificultam o uso de sua infraestrutura de agências por parte das outras empresas. "No segmento de entregas do comércio eletrônico e nos serviços voltados ao setor financeiro verificou-se que os Correios se recusam a trabalhar com alguns concorrentes, liberando seus serviços apenas às empresas que não competem com a estatal", afirmou o Cade no comunicado à imprensa.

A investigação começou a partir de queixas do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (Setcesp).

Segundo a queixa da entidade, os Correios estão praticando preços mais elevados para atender clientes que competem com a companhia estatal no mercado, enquanto clientes não concorrentes estariam pagando valores menores pelo mesmo produto, afirmou o Cade.

Como resultado da investigação, a superintendência do Cade recomendou condenação dos Correios pelas três condutas anticompetitivas. O caso seguirá para o Tribunal do Cade, que é o órgão responsável por uma decisão final.

Caso seja condenada, a empresa pode pagar multa de até 20 por cento do seu faturamento bruto no ano anterior ao da instauração do processo, além de outras sanções.

Em março, a Reuters publicou que os consumidores de água e energia elétrica podem ter de arcar com um gasto adicional de até 1,2 bilhão de reais por ano relativo ao envio postal de contas de energia elétrica e água, dependendo do resultado de uma disputa judicial envolvendo os Correios e distribuidoras de eletricidade e empresas de saneamento.

Procurados na ocasião, os Correios afirmaram que entendem que "as referidas guias de arrecadação tributária enquadram-se no conceito de carta. Dessa forma, em se tratando de serviço público referente ao privilégio postal dos Correios, este não pode ser prestado pela iniciativa privada". 

(Edição Flavia Bohone)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos