Bolsas

Câmbio

Incerteza política e espera por Fed deixam Ibovespa sem tendência definida

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa paulista operava sem viés único nesta terça-feira, buscando uma recuperação após cair nos três pregões anteriores, mas com investidores ainda cautelosos diante do cenário político e um dia antes da decisão do Federal Reserve sobre os juros nos Estados Unidos.

Às 11:48, o Ibovespa caía 0,18 por cento, a 61.590 pontos. O giro financeiro era de 1,5 bilhão de reais.

No quadro político, o PSDB decidiu na véspera que seguirá no governo do presidente Michel Temer, mas que pode rever a posição diante do surgimento de fatos novos.

Embora a decisão do PSDB seja favorável a Temer, a crise que atinge o Planalto está longe de terminar. Na véspera, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu prorrogar por mais cinco dias o prazo concedido anteriormente para que a Polícia Federal conclua o inquérito contra Temer, investigado pelos crimes de obstrução de Justiça, organização criminosa e corrupção passiva

A espera pelo banco central norte-americano também ajudava o tom de cautela no mercado local. A expectativa é que o Fed suba os juros na decisão de quarta-feira, e os investidores aguardam o comunicado do banco central, em busca de sinalizações sobre o ritmo de novos aumentos.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN tinha baixa de 0,7 por cento e PETROBRAS ON perdia 0,6 por cento, acompanhando o movimento dos preços do petróleo no mercado internacional, que cediam após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) informar aumento na sua produção em maio, apesar de um acordo para corte na oferta, e dizer que o reequilíbrio do mercado estava mais lento que o esperado.

- VALE PNA caía 1,4 por cento e VALE ON recuava 1,6 por cento, engatando o segundo pregão negativo seguido.

- SANTANDER UNIT caía 1,18 por cento, no pior desempenho do setor bancário do Ibovespa, tendo como pano de fundo a notícia do jornal Valor Econômico de que a empresa avalia a compra do Banco Original, controlado pela J&F.

- ITAÚ UNIBANCO PN subia 0,7 por cento, mas afastava-se das máximas da sessão, quando subiu 1,35 por cento, enquanto BRADESCO PN tinha variação negativa de 0,3 por cento, após ter subido 1,18 por cento no melhor momento. Segundo operadores, a perda de força dos papéis das duas empresas, que têm grande peso no Ibovespa, veio na esteira de reportagem do Valor PRO, informando que a Lava Jato foi procurada por bancos interessados sobre o funcionamento de acordos de leniência.

- SUZANO PAPEL E CELULOSE PNA avançava 1,2 por cento, enquanto KLABIN UNIT tinha alta de quase 2 por cento e FIBRIA ON ganhava 0,3 por cento, em sessão de alta do dólar frente ao real. Também no radar estava a notícia do jornal Valor Econômico de que Suzano e Fibria avaliam fazer ofertas pela Eldorado, controlada pelo grupo J&F.

- RUMO ON subia 1,3 por cento, entre os destaques positivos do Ibovespa, após cair nos três pregões anteriores, período em que acumulou perdas de 3,61 por cento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos